Busca avançada
Ano de início
Entree

Controle químico da atividade de lipases no farelo de arroz submetido a diferentes processos industriais

Processo: 01/00079-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2001
Vigência (Término): 31 de março de 2002
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Orgânica
Pesquisador responsável:Anita Jocelyne Marsaioli
Beneficiário:Marcela Engelbrecht Zacharias
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Hidrólise   Farelo de arroz   Atividade enzimática   Triglicerídeos

Resumo

O farelo de arroz é um subproduto obtido do brunimento do arroz integral (descascado) para produzir arroz branco polido. São produzidas aproximadamente 30 a 32 milhões de toneladas métricas de farelo anualmente que inclui aproximadamente 7 % dos 450 milhões de toneladas métricas da produção mundial de arroz já descascado. O farelo de arroz, que poderia ser uma fonte potencial de alimento humano, infelizmente é subtilizado ou descartado. As proteínas, óleos e carboidratos, vitaminas, amino ácidos, fitoesteroides esterificados do farelo de arroz são uma excelente fonte de suplementos nutricionais humana. Entretanto seu consumo é limitado pelo fato de sofrer rápida hidrólise dos seus triglicerídeos tornando-o improprio para o consumo humano. Para aproveitar esse produto o processo deveria ser modificado de forma a inativar as enzimas responsáveis pela hidrólise sem onerar em demasia o produto obtido. O processo visualizado para alcançar esta finalidade é o tratamento com microondas (projeto de pesquisa do Sr. Carlos R. Rocha e Prof. Dr. Antonio Marsaioli, Jr. da Faculdade de Engenharia de Alimentos) o qual deverá ser monitorado por diversas análises químicas que serão o objetivo do presente trabalho. O monitoramento de: atividade enzimática e acidez. As análises para o teor de acidez serão feitas por titulação, por infravermelho, por infravermelho próximo. Os fitoesteroides serão avaliados separamente por HPLC e RMN. (AU)