Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência do ambiente na formação de processos de resiliência em jovens moradores da zona sul de São Paulo/SP

Processo: 06/50230-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2006
Vigência (Término): 30 de abril de 2007
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia do Desenvolvimento Humano
Pesquisador responsável:José Luiz Guimarães
Beneficiário:Monica Feitosa Santana
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis , SP, Brasil
Assunto(s):Cidadania   Resiliência psicológica   Redes sociais   Adolescentes   Violência   Criminalidade

Resumo

Este projeto tem por objetivo investigar de que forma ocorrem a formação dos processos de resiliência através da promoção de estratégias de coping entre jovens participantes de um grupo na comunidade do bairro do Jardim Ângela, no município de São Paulo. A escolha deste bairro para análise deve-se à sensível diminuição nos últimos cinco anos dos registros de homicídio ente a população-alvo desta pesquisa, que inclui-se entre o grupo mais vitimado pela violência urbana. Primeiro, será realizado um levantamento bibliográfico sobre o tema, tendo como objetivo o aprofundamento da compreensão da criminalidade urbana, em conjunto com os trabalhos a serem desenvolvidos pelo Núcleo de Estudos da Violência e Relações de Gênero, ao qual está vinculada a pesquisadora. Em seguida, serão realizadas entrevistas abertas semi-dirigidas com ao menos cinco jovens participantes do grupo citado desde que apresentem características da resiliência (auto imagem positiva, capacidade da adaptabilidade às contingências consideradas aversivas aos sujeitos, tolerância às frustrações e obtenção de êxito na concepção dos sujeitos). Após a coleta de dados serão realizadas as análises destas entrevistas, tendo como objetivo verificar a influência da formação de redes sociais como fatores de proteção, construção de background positivo e inibição dos fatores de risco entre a população alvo da pesquisa, tendo a Teoria Ecológica do Desenvolvimento como referencial. (AU)