Busca avançada
Ano de início
Entree

Ha vantagem reprodutiva em irmaos de pacientes com a sindrome do ovario policistico (sop)?

Processo: 07/53459-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2008
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Pesquisador responsável:Sabine Eggers
Beneficiário:Camila Jericó Daminello
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Genética

Resumo

Atualmente a infertilidade é um problema de proporções globais. A Síndrome do Ovário Policístico (SOP), é uma de suas principais causas, correspondendo, por pelo menos, metade dos casos de infertilidade anovulatória. A SOP está presente em 10% das mulheres e se caracteriza pela morfologia micropolicística dos ovários, associada a diversos outros sintomas, como hirsutíssimo, obesidade, amenoméia e infertilidade. Esta síndrome é de origem multifatorial, na qual variados graus de expressão, freqüência e combinação de sintomas são encontrados. Além dos sintomas diretos, a SOP está relacionada a riscos a longo prazo e à impactos psicossociais negativos, tendendo a diminuir a qualidade da vida da afetada. Sabe-se do componente genético na predisposição à SOP, porém sem certeza de quais os genes envolvidos. Por provocar infertilidade, a SOP vai de encontro ao paradigma da maximização de descendentes. Sendo assim, é interessante um enfoque evolutivo no estudo desta síndrome. Diversas hipóteses foram formuladas a fim de se elucidar o porquê da manutenção genética da SOP. Dentre elas a seleção de parentesco que inclui a hipótese que será testada neste trabalho, está se pergunta se o sucesso reprodutivo reduzido das afetadas é compensado por um possível alimento do sucesso reprodutivo dos irmãos saudáveis. Para tal, serão avaliadas 100 portadoras de SOP e 100 controles através de questionários semi-estruturados e heredogramas detalhados. A partir destes dados serão estimados os valores reprodutivos das pacientes, dos controles e de seus irmãos saudáveis. Estes dados, contrapostos a dados de fecundidade do IBGE permitirão testar a hipótese da manutenção da alta freqüência da SOP. (AU)