Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação in vitro do potencial erosivo de sucos infantis em esmalte decíduo

Processo: 09/00873-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2009
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Cinthia Pereira Machado Tabchoury
Beneficiário:Lenita Marangoni Lopes
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Erosão dentária   Esmalte dentário   Dente decíduo   Sucos de frutas

Resumo

Erosão dental é a perda irreversível de tecido dental sadio por processo químico, não envolvendo bactérias e nem placa dental, a qual pode ser resultante de fatores intrínsecos ou extrínsecos. Dentre os fatores extrínsecos, está a ingestão frequente de sucos cítricos e refrigerantes, cujo potencial erosivo pode estar relacionado ao seu baixo pH, alta capacidade tampão e menor composição mineral de cálcio (Ca) e fósforo inorgânico (Pi) que induzem a desmineralização dental. O consumo de sucos tem sido cada vez mais recomendado em substituição ao de refrigerantes e a oferta de novos sabores e marcas e, consequentemente, seu consumo têm aumentado e iniciado cada vez mais cedo. Em acréscimo, tem sido observado um aumento no número de crianças e adolescentes apresentando uma perda localizada do tecido dental anterior. Considerando assim o risco e incidência de erosão dentária na primeira dentição e a ausência de dados sobre as propriedades dos sucos infantis e sua relação com a erosão, o objetivo do presente estudo é analisar o pH, a capacidade tampão, o conteúdo mineral de Ca e Pi de sucos e, em um modelo in vitro, avaliar a capacidade erosiva destas bebidas. Os sucos infantis Kapo (Coca-Cola®) sabores laranja e abacaxi, Vig (Vigor®) sabores laranja e maracujá, Del Vale® sabores laranja e caju e Skinka (Schincariol®) sabor frutas cítricas e uva serão adquiridos em 6 supermercados diferentes, resultando em seis caixinhas de cada sabor e de cada marca. Estes sucos, além dos controles água e suco de laranja, serão submetidos à análise do pH inicial, da capacidade tampão e do conteúdo mineral de Ca e Pi. Após, blocos de esmalte de dente decíduo de dureza superficial conhecida serão submetidos à formação de película adquirida pela imersão em saliva humana estimulada e clarificada por 2 h. Então, os blocos dentais serão submetidos a ciclagens erosivas e remineralizantes in vitro: imersão nos respectivos grupos de tratamento (25 mL/bloco) por 10 minutos 4 vezes ao dia por 15 dias; entre as exposições e durante à noite, os blocos dentais serão armazenados em solução remineralizante a 37ºC. A dureza de superfície dos blocos dentais será novamente mensurada para obter-se a perda de dureza de superfície (%PDS). A análise mineral de Ca também será repetida nos sucos após cada tempo de imersão dos blocos e o valor encontrado será subtraído da concentração inicial de Ca nos sucos, sendo utilizada como indicador químico da erosão. Para este ensaio in vitro serão utilizadas amostras de sucos de um mesmo lote, pois a variável de estudo será o bloco de esmalte. (AU)