Busca avançada
Ano de início
Entree

Sistemas de drenagem externa de líquido cefalorraquidiano

Processo: 06/01785-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2006
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2007
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Mecânica - Engenharia Térmica
Pesquisador responsável:Edson Del Rio Vieira
Beneficiário:Victor Emanuel de Freitas Xavier
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia (FEIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Ilha Solteira. Ilha Solteira , SP, Brasil
Assunto(s):Bioengenharia   Hidrocefalia   Pressão intracraniana   Drenagem   Líquido céfalorraquidiano   Hidrodinâmica

Resumo

A solução aquosa continuamente produzida nos ventrículos cerebrais é denominada de liquor ou líquido cefalorraquidiano (LCR). Pessoas humanas em condições normais produzem cerca de 0,5 ml/kg por hora, ou, em torno de, 500 ml ou mais de LCR por dia. Uma discrepância na produção de LCR e sua absorção pelo organismo pode produzir um acumulo de liquor no cérebro. Elevados níveis de LCR são associados com traumatismos cerebrais, infecções das meninges ou hidrocefalia. Em todos esses casos, um aumento da pressão intracraniana pode resultar em dano irreversível ao cérebro ou até mesmo a morte do paciente. Uma vez diagnosticada a hidrocefalia, o único procedimento para tratamento consiste na intervenção cirúrgica. Os cirurgiões utilizam dispositivos chamados de "shunts" para realizar o dreno do excesso de LCR dos ventrículos cerebrais para outras partes do organismo, mais comumente na região da cavidade abdominal. O fluido encefalorraquidiano também pode ser drenado para um reservatório externo (bolsa de coleta), procedimento denominado de drenagem externa. O presente trabalho propõe a utilização de um dispositivo experimental para testes de "shunts" de drenagem externa de diferentes configurações. O aparato de testes é automatizado e dotado de um sistema de aquisição de sinais para facilitar a obtenção dos dados e determinar as características hidrodinâmicas (diferença de pressão em função da vazão volumétrica) das partes constituintes dos "shunts".