Busca avançada
Ano de início
Entree

Reacao ao virus da tristeza dos citros de clones de laranjeira "pera" cultivados em diferentes regioes do estasdo de sao paulo.

Processo: 07/54675-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2007
Vigência (Término): 30 de setembro de 2008
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Sérgio Alves de Carvalho
Beneficiário:Talita Scholl
Instituição-sede: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Citrus   Clima   Proteção cruzada

Resumo

O vírus da tristeza dos citros é um dos patógenos de maior importância econômica na cultura, afetando-a mundialmente. Mesmo em porta-enxertos tolerantes, como o limão 'Cravo', a laranja Pêra e outras variedades mais sensíveis ao CTV apresentam problemas de crescimento e produção, dependendo do clone e da região em que é cultivado. Visando a avaliação de clones desta cultivar, instalou-se uma rede de experimentos em diversas regiões edafoclimáticas do Estado de São Paulo. Para alguns dos clones, além dos originais, são também incluídos materiais microenxertados pré-imunizados. Nestes experimentos são avaliados 26 clones de 'Pêra' em 6 municípios das regiões: Norte (Cajobi), Centra (Araraquara), Sudeste (Cordeirópolis) e Sul (Avaré, Capão Bonito e Itapetininga) do Estado de São Paulo, entre as quais se observa um gradiente de temperatura, fator de grande importância na resposta das plantas em relação ao isolado de CTV. Em todos os experimentos utiliza-se delineamento experimental em blocos casualizados, com uma planta por parcela e 10 repetições. Em complemento às avaliações agronômicas já realizadas nos experimentos, é proposta neste projeto a caracterização dos isolados de CTV presentes em 3 repetições de cada um dos clones. Serão avaliados: aspecto geral da planta, com notas de 1 a 5 para vigor, ocorrência e intensidade de caneluras no lenho e a reação da estirpe do vírus em lima ácida Galego, pela observação da intensidade de palidez ou suberização das nervuras, bem como ocorrência de caneluras no lenho. (AU)