Busca avançada
Ano de início
Entree

Emissões de gases de efeito estufa devido ao uso e mudança no uso da terra no Sudoeste da Amazônia: análise de incertezas e modelagem matemática

Processo: 09/07294-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2009
Vigência (Término): 30 de setembro de 2010
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Pesquisador responsável:Carlos Clemente Cerri
Beneficiário:Stoécio Malta Ferreira Maia
Instituição-sede: Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:05/59012-1 - Impacto ambiental da expansão da agricultura no sudoeste da Amazônia, AP.TEM
Assunto(s):Gases do efeito estufa   Matéria orgânica do solo

Resumo

No Brasil, as atividades relacionadas ao uso e mudança do uso da terra são responsáveis por aproximadamente 75% das emissões dos gases do efeito estufa (GEE) de origem antrópica. Neste contexto, a região sudoeste da Amazônia, mais precisamente os estados de Rondônia e Mato Grosso ocupam um papel de destaque, pois representam uma das maiores fronteiras agrícolas do país, onde a vegetação nativa vêm sendo substituída consistentemente por pastagens e uso agrícola. O objetivo geral deste trabalho é estimar as quantidades totais de CO2, CH4 e N2O derivados do uso e mudança do uso da terra, expressá-las em termos de equivalente em CO2 e realizar a análise de incerteza total associada às emissões de GEE. E prever, através de modelagem matemática, os impactos futuros. Para alcançar estes objetivos, será realizada a soma das emissões do GEE das seguintes fontes: (i) emissões devido à conversão das vegetações nativas em outros usos da terra; (ii) CO2 provenientes do solo devido ao uso da terra; (iii) N2O devido ao uso de adubos nitrogenados; (iv) CO2 provenientes do uso de calcário e uréia; (v) emissões de GEE devido a atividade pecuária, que inclui as emissões devido ao manejo dos dejetos de origem animal e a fermentação entérica. Em seguida, será realizada a análise das incertezas associadas a cada uma das fontes de emissão e a incerteza associada à estimativa da emissão total dos GEE. Para a análise de incerteza serão adotados o método da propagação de erros e o procedimento estatístico de Monte Carlo. A modelagem matemática será realizada através do uso dos modelos - RothC-26.3, Century Ecosystem Model, Terrestrial Ecosystem Model (TEM), o Denitrification Decomposition Model (DNDC) e mais o modelo empírico proposto pelo IPCC. Os resultados obtidos a partir da análise de incertezas e da modelagem matemática serão fundamentais para a avaliação da dinâmica das emissões dos GEE, permitindo a identificação das principais fontes de variação, assim como, à formulação de hipóteses sobre os processos de mudanças no uso da terra. Estas informações poderão auxiliar na escolha de políticas públicas alternativas, que visem reduzir as emissões de GEE e promover o desenvolvimento econômico sustentável da região sudoeste da Amazônia.