Busca avançada
Ano de início
Entree

Datação por Traços de Fissão substituindo-se o reator nuclear por um por um espectrômetro de massa

Processo: 08/01224-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2008
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geofísica
Pesquisador responsável:Pedro José Iunes
Beneficiário:Felipe Gustavo da Silva Santos
Instituição-sede: Instituto de Física Gleb Wataghin (IFGW). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:00/03960-5 - História de exumação da plataforma sulamericana a exemplo da região sudeste brasileira: termocronologia por traços de fissão e sistemáticas ar/ar e sm/nd, AP.TEM
Assunto(s):Termocronologia   Geocronologia

Resumo

Este projeto visa um aperfeiçoamento da geotermocronologia por traços de fissão. Um parâmetro importante dentro desta geotermocronologia é a idade obtida com o método dos traços de fissão, MTF. Para se efetuar a datação com o MTF, a comunidade internacional de traços de fissão utiliza metodologias nas quais são necessárias irradiações com nêutrons do mineral a ser datado. Tais irradiações, feitas em reatores nucleares, demandam um determinado tempo de "esfriamento" (tempo de espera para que a atividade da amostra chegue a um nível aceitável para o manuseio). No presente projeto pretende-se estabelecer uma metodologia que possibilita a datação com o MTF substituindo-se o reator nuclear por um ICPMS. Pretende-se aplicar a metodologia proposta em amostras de apatitas brasileiras: Jacupiranga (São Paulo) e Catalão II (Goiás). A importância do projeto reside tanto em inovações metodológicas quanto em vantagens práticas. Do ponto de vista metodológico, além da independência do reator nuclear, as inovações podem possibilitar um aumento na precisão das medidas, já que os erros estatísticos relacionados com a dosimetria de nêutrons e com a contagem dos traços de fissão induzida não serão propagados na equação de idade. Os erros estatísticos relacionados com a determinação do conteúdo de urânio via ICPMS, são negligenciáveis quando comparados aos erros relacionados com a contagem dos traços fósseis. As vantagens do ponto de vista prático estão relacionadas com a rapidez da medida.