Busca avançada
Ano de início
Entree

Atividade de alelopotico de Brachiaria decumbens, gramínea invasora do cerrado, sobre outras gramíneas

Processo: 03/13875-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2004
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2004
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Vânia Regina Pivello
Beneficiário:Elizabeth Gorgone Barbosa
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Invasão biológica   Cerrado   Alelopatia   Melinis minutiflora

Resumo

Alelopatia é a interferência de uma planta no crescimento de outra, por meio da liberação de componentes químicos ao meio. Muitas espécies consideradas invasores biológicos possuem capacidade de liberação de aleloquímicos no ambiente, que as favorece na competição por recursos. Espécies invasoras podem causar grandes impactos ao meio e ameaçar a biodiversidade de um ecossistema natural. O presente estudo tem como objetivo verificar a presença e possíveis efeitos de substâncias alelopáticas em uma gramínea africana - Brachiaria decumbens - potencial invasora do Cerrado brasileiro. Para isso, serão realizados experimentos para testar a interferência de possíveis substâncias alelopáticas contidas em suas sementes na germinação de Melinis minutiflora, também uma gramínea africana e invasora do Cerrado, e Paspalum notatum, espécie nativa do Cerrado. Para o teste da presença de substâncias alelopáticas nas sementes de Brachiaria decumbens, serio colocadas para germinar em placas de Petri, 30 sementes desta, juntamente com mais 30 sementes das espécies que serão utilizadas nos biotestes (Melinis minutiflora, Paspalum notatum, alface e alpiste). Também serão testados os efeitos de extratos de folhas e raízes das Brachiaria decumbens sobre a germinação de M. minutiflora e Paspalum notatum. Para isso, serão colocadas 60 sementes destas em placas de Petri, forradas com papel filtro e umedecidas com os extratos. Serão feitas 6 réplicas e 2 controles para cada teste. (AU)