Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da dimensão da injúria nos parâmetros de qualidade pós-colheita e na vida útil de órgãos vegetais

Processo: 07/59187-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2008
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Ciência de Alimentos
Pesquisador responsável:José Dalton Cruz Pessoa
Beneficiário:Auricleia Sarmento de Paiva
Instituição-sede: Embrapa Instrumentação Agropecuária. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Brasil). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Microtomografia   Injúria   Sonda termoelástica   Pós-colheita

Resumo

A mensuração e a quantificação dos danos físicas que podem acarretar perdas na qualidade e redução da vida útil pós-colheita de frutos e hortaliças é considerado um desafio. Neste projeto serão estudados na primeira etapa os efeitos da dimensão (tamanho e número) das lesões, na capacidade.de carga (empilhamento), na textura e na vida útil de órgãos vegetais, para o que serão medidas: a Força máxima da fase elástica, a Constante de Elasticidade do órgão, a Firmeza; q Turgor, o Potencial de água e a Força de ruptura; e a Respiração. Na segunda etapa do projeto serão feitos experimentos para estabelecer uma relação entre a dimensão das lesões e o tempo de vida útil do órgão usando o concerto de meia vida descrito na literatura e na última etapa será estudadas relação entre as variáveis acima listadas. Antes do início dos ensaios serão identificados, para as condições de armazenamento e variedades usadas no projeto, os seguintes parâmetros de controle das condições experimentais: Tamanha Médio das Células no tecido onde serão induzidas as lesões, Tempo de Cicatrização e Valores de Indução da Injúria. Espera-se que as relações observadas forneçam: I) informações úteis ao aperfeiçoamento dos métodos pós-colheita; II) dados para o desenvolvimento de modelos matemáticos e; III) estabeleça as bases instrumentais e metodológicas para a análise de escala. Para isto serão utilizados equipamentos comerciais tradicionais (equipamento de ensaios mecânicos, psicrômetro e Irga) e tecnologias inovadoras, como a TEProbe (sondas termoelásticas para estudo das relações hídricas em escala celular), o firmômetro (para medidas de firmeza) e a HidroC (para armazenamento de hortifrutis), desenvolvidas no Laboratório de Instrumentação em Pós-colheita da Embrapa Instrumentação. Além disto, o projeto será um dos primeiros a explorar, no contexto do agronegócio, as possibilidades do microtomógrafo Skyscan mod. 1172, que permite análises não-destrutivas com resolução de até 1μm. (AU)