Busca avançada
Ano de início
Entree

A música pianística e cameristica composta entre 1790 e 1820 presente na coleção Theresa Christina Maria: uma abordagem segundo as práticas interpretativas relacionadas ao período

Processo: 06/07278-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2007
Vigência (Término): 30 de abril de 2010
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Artes - Música
Pesquisador responsável:Paulo Augusto Castagna
Beneficiário:Pedro Aurélio Persone
Instituição-sede: Instituto de Artes (IA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Análise musical   Música de câmara   Piano   Interpretação musical   História do Brasil Império

Resumo

Este projeto propõe revisitar a prática musical no Brasil imperial (1822 -1889), através da documentação sobre a música européia de câmara e para forte piano solo; possivelmente executada no país. Esta investigação sobre nosso rico passado musical, com abordagem focada nas práticas interpretativas, vai ao encontro da necessidade urgente de situar nossa herança musical vinda de fontes da Europa. A Coleção Theresa Christina Maria abrigada, hoje, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro será a fonte de pesquisa para a catalogação temática de obras que aqui foram possivelmente executadas. Tal coleção de partituras musicais é o resultado da união das coleções das Imperatrizes Leopoldina e Theresa Christina Maria. Sabemos que obras de importantes compositores europeus soavam entre as paredes do Brasil imperial. Por ser parte do patrimônio arquivístico musical brasileiro, acredito ser de extrema importância a catalogação e divulgação dessa rara coleção de música de câmara e de obras para piano, e o conseqüente registro das obras mais representativas. Desta maneira poderemos mostrar o interessante repertório que, se não foi totalmente executado no Brasil, pelo menos está aqui arquivado; poderemos, também, recriar performances públicas e realizar arquivos sonoros de obras selecionadas. Para tanto utilizarei uma abordagem de práticas interpretativas historicamente informadas, utilizando os instrumentos do período, contendo, inclusive, uma breve introdução organológica. (AU)