Busca avançada
Ano de início
Entree

Purificação e caracterização funcional da proteína recombinante Fur de Xylella fatidiosa

Processo: 04/12991-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2005
Vigência (Término): 31 de agosto de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Bioquímica de Microorganismos
Pesquisador responsável:Aline Maria da Silva
Beneficiário:Fernanda Nogueira Goncalves Lupo
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Transcrição genética   Fitopatógenos   Expressão gênica   Ferro

Resumo

A bactéria Xylella fastidiosa (Xf) é o agente causador de uma série de doenças em plantas economicamente importantes, entre elas a clorose variegada dos citros (CVC) e investigações sobre a biologia de Xf são importantes para o futuro desenvolvimento de estratégias alternativas para o controle da CVC. Neste sentido, está em andamento em nosso grupo de pesquisa um estudo visando a identificação de genes que participam na homeostase de ferro nesta bactéria, através da tecnologia de microarrays de DNA e de abordagem computacionais complementares. O ferro é um nutriente essencial para a sobrevivência de praticamente todos os organismos e a aquisição de ferro é uma etapa crucial no estabelecimento de infecções bacterianas tanto em animais como em plantas. Em eubactérias, a homeostase de ferro é mantida, principalmente, através da proteína Fur (Ferric uptake regulator) que, quando ligada a Fe2+, exibe alta afinidade por seqüências operadoras denominadas Fur boxes, reprimindo assim a expressão de diversos genes. Em nosso laboratório, recentemente clonamos o gene furde Xf e a proteína recombinante correspondente foi obtida em E. coli. Como continuidade propomos, no presente projeto de pesquisa, realizar a purificação da proteína Xf-Fur recombinante expressa em E. coli e avaliar sua capacidade de reconhecimento e ligação a seqüências do tipo Fur boxes presentes no genoma de Xf, através da utilização de ensaios de alteração de mobilidade eletroforética (EMSA). (AU)