Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito das lesões eletrolítica e neurotóxica do núcleo dorsal da rafe sobre respostas comportamentais no labirinto em cruz elevado no Labirinto em T Elevado e na arena

Processo: 00/01692-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2000
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2000
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Telma Goncalves Carneiro Spera de Andrade
Beneficiário:Roger Luís Henschel Pobbe
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis , SP, Brasil
Assunto(s):Ansiedade   Núcleos da rafe   Labirinto em cruz elevado

Resumo

O Núcleo Dorsal da Rafe (NDR) tem sido apontado como uma estrutura envolvida com os mecanismos de ansiedade. Juntamente com o Núcleo Mediano da Rafe (NMR), constitui a principal fonte de neurônios serotonérgicos que se projetam por via ascendente. Através deste estudo pretendemos verificar o efeito de dois tipos de lesão (eletrolítica e neurotóxica) do NDR sobre o comportamento de ratos em dois testes de ansiedade: o Labirinto em Cruz Elevado (LCE) e o Labirinto em T Elevado (LTE), com o objetivo de confirmar dados da literatura decorrentes de manipulações estruturais e farmacológicas que apontam efeito ansiolítico no LCE provocado pela inativação do NDR e ainda, através do LTE, investigar qual o tipo de ansiedade envolvida nas manipulações do NDR. Assim, submeteremos ratos machos Wistar, com peso médio de 200g no início das sessões experimentais, a dois tipos de lesão do NDR: lesão eletrolítica (3mA, durante 10 segundos) e lesão neurotóxica (5,7-DHT), sendo esta última mais seletiva, pois destrói apenas corpos de neurônios serotonérgicos, sem afetar fibras de passagem. Os animais-controle dos dois tipos de lesão serão submetidos aos mesmos procedimentos, exceto a passagem de corrente elétrica e a infusão de neurotoxina, respectivamente. Sete dias após a lesão eletrolítica e 14 dias após a lesão neurotóxica os animais (controle e experimentais) serão avaliados no LCE, no LTE e na arena. Os dados serão analisados através da ANOVA. (AU)