Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliar a branqueabilidade da polpa kraft por diferentes processos de branqueamentos

Processo: 07/57350-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2007
Vigência (Término): 30 de junho de 2009
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Tecnologia e Utilização de Produtos Florestais
Pesquisador responsável:Gustavo Ventorim
Beneficiário:Alexandre Coelho
Instituição-sede: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus Experimental de Itapeva. Itapeva , SP, Brasil
Assunto(s):Branqueamento

Resumo

Antes da década de 90 o principal índice na determinação da reatividade da polpa kraft era devido a lignina residual. Esta lignina possuía diferentes reatividades devidos aos seus grupos de hidroxilas fenólicas, hidroxilas alifáticas, carbonilas, carboxilas e ligações condensadas. Quanto mais elevado os teores de hidroxilas fenólicas, hidroxilas alifáticas e grupos carbonilas e carboxila presentes na estrutura da lignina mais reativa era a lignina residual com os reagentes de branqueamentos, enquanto que as ligações condensadas presente na estrutura da lignina diminuía a reatividade da mesma. No final da década de 90 o principal índice na determinação da reatividade da polpa kraft passou a ser os ácidos hexenurônicos. Segundo os autores VUORINEN et al. (1999) a presença dos ácidos hexenurônicos na polpa kraft consomem reagentes químicos de branqueamento, aumentando o custo de branqueamento. Mas segundo VENTORIM et al. (2007) quanto maior o teor dos ácidos hexenurônicos maior é a branqueabilidade da polpa kraft. A natureza da lignina é o fator primordial que afeta a demanda de produtos químicos no branqueamento de polpa kraft de eucalipto, sendo os ácidos hexenurônicos de pouca importância. Isso explica por que estágios quentes não afetam significativamente o consumo de produtos químicos de branqueamento, particularmente em caso de amostras de polpa de baixa branqueabilidade (COLODETTE et al., 2006). Nos casos em que estágios quentes têm mais efeito não é muito improvável que ligninas solúveis em ácido sejam removidas da polpa mediante hidrólise de ácido quente. Estudo com polpas kraft de Eucalyptus globulus também indicaram a pouca importância dos ácidos hexenurônicos no branqueamento EOF (DANIEL et al., 2003). Para dirimir qual é a Influência dos grupos presente da lignina e dos ácidos hexenurônicos na branqueabilidade da polpa. Será avaliada a branqueabilidade da polpa kraft proveniente de um mesmo processo de polpação mas, com diferentes números kappa, utilizando diferentes processos de branqueamento. (AU)