Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da contribuição da anidrase carbônica para a resistência de células leucêmicas a quimioterápicos

Processo: 09/15686-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2010
Vigência (Término): 31 de julho de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Enzimologia
Pesquisador responsável:Carmen Veríssima Ferreira
Beneficiário:Natália Damário
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Anidrases carbônicas   Etoxzolamida   Transdução de sinais   Glicoproteína P   Resistência a medicamentos

Resumo

A resistência múltipla a fármacos é a principal barreira a ser vencida no tratamento de pacientes com câncer. Múltiplos fatores são responsáveis pelo desenvolvimento da resistência, porém sabe-se que um dos principais é a expressão do produto do gene MDR-1, a glicoproteína-P (Pgp), que atua como uma bomba de e fluxo de fármacos. No entanto, pouco se sabe sobre as vias de sinalização correlacionadas com a Pgp. Neste contexto, nosso grupo de pesquisa tem utilizado diferentes abordagens metodológicas para obter o mapeamento metabólico de células leucêmicas resistentes, e portanto, identificar alvos para intervenção farmacológica. Recentemente, realizamos a análise proteômica das células da leucemia eritrocítica humana resistente à vincristina (Lucena) as quais apresentaram alta expressão da anidrase carbônica I. Portanto, o objetivo geral deste projeto será validar o dado do proteoma. Para isto, analisaremos a expressão e a atividade da anidrase carbônica nas células K562 (células não resistentes) e na Lucena (célula com fenótipo de resistência). Além disto, será avaliado o efeito do inibidor da anidrase carbônica (etoxzolamida) na taxa de proliferação das células Lucena, bem como a sensibilidade destas células na presença do inibidor em combinação com a vincristina. O desenvolvimento do projeto poderá mostrar de forma inédita a relação entre a anidrase carbônica e Pgp. Portanto, poderemos definir a contribuição desta enzima para o processo de resistência de células tumorais a fármacos. (AU)