Busca avançada
Ano de início
Entree

Mapeamento das novas paisagens do distrito da Mooca na Cidade de São Paulo usando geoprocessamento: demolições, verticalizações e revalorização dos antigos espaços fabris

Processo: 09/53936-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2010
Vigência (Término): 31 de outubro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Geografia
Pesquisador responsável:Magda Adelaide Lombardo
Beneficiário:Amanda Ramalho Vasques
Instituição-sede: Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Áreas industriais   Geoprocessamento   Verticalização   Paisagem urbana

Resumo

A reconversão de áreas industriais desativadas em benefício de novos usos têm se tomado uma prática recorrente nas áreas metropolitanas, podendo ser analisada pelo estudo das alterações morfológicas e funcionais das formas e estruturas intra-urbanas. A reconstituição histórica do processo onde fábricas cederam lugar a novos empreendimentos (torres residenciais, escritórios, áreas comerciais, de serviços etc.) e a avaliação destas transformações espaciais são exames imprescindíveis para o direcionamento de políticas públicas e intervenções mais adequadas, visando à melhoria da qualidade de vida para os citadinos. Esta pesquisa propõe, portando, o uso de técnicas de geoprocessamento para a elaboração do mapeamento das demolições, verticalizações e refuncionalizações no distrito da Mooca, visando o diagnóstico dos espaços fabris em transição na metrópole paulista. Por meio do desenvolvimento de dois métodos de análise da informação geográfica: a classificação digital automática e a classificação digital analógica de séries temporais de aerofotos (de 1980 ao fim da década de 1990) e de imagens de satélite de alta resolução espacial como Ikonos e Quickbird (de 2000 a 2010), objetiva-se compreender os processos modificadores da paisagem urbana. A escolha do distrito da Mooca, na cidade de São Paulo, para esta análise justifica-se pela sua função industrial histórica, estruturada pelo eixo ferroviário da E.F. Santos-Jundiaí e pelas recentes mudanças no uso do solo industrial. Nas últimas décadas, estas alterações impuseram novas feições às configurações espaciais do bairro: indústrias fechadas, contaminadas e em ruínas, áreas vacantes, galpões abandonados e demolições. O consumo acelerado do estoque de galpões e fábricas na Mooca se relaciona com a valorização do solo e dos imóveis da região, decorrente da refuncionalização e da especulação do mercado imobiliário, onde quadras inteiras foram adquiridas por incorporadoras imobiliárias e destinadas a grandes empreendimentos privados, que vem reconfigurando uma 'nova' Mooca. (AU)