Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação clínica do curso evolutivo da Doença de Parkinson

Processo: 08/55506-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2008
Vigência (Término): 31 de outubro de 2009
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Henrique Ballalai Ferraz
Beneficiário:Katia Terumi Nakacima
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Qualidade de vida   Doença de Parkinson   Cuidadores

Resumo

A doença de Parkinson (PD) é a segunda doença neurodegenerativa crônica e progressiva mais comum. É uma enfermidade altamente incapacidade e importante causa de morbi-mortalidade cuja prevalência tende a crescer nos próximos anos devido ao envelhecimento populacional. O quadro clínico da DP é amplo e engloba manifestações clínicas - motoras e não-motoras, além das secundárias à terapia medicamentosa. Sinais motores cardinais como tremor de repouso, bradicinesia, rigidez muscular e instabilidade postural prejudicam amplamente a realização das atividades de vida diária pelo paciente e acarretam em uma diminuição da qualidade de vida do doente e também do cuidador. As manifestações não-motoras, tais como a depressão/transtornos do sono, disfunção cognitiva e demência, ainda que pouco reconhecidas, geram um impacto semelhante ou até mesmo maior que o quadro clínico motor na qualidade de vida do paciente. Além disso, a sobrecarga exercida pela DP também afeta a sociedade devido ao seu custo sócio-econômico. Apesar da evolução no conhecimento e tratamento da DP, alguns aspectos relevantes da doença ainda foram pouco explorados. Nesse sentido, o presente estudo longitudinal com cortes transversais visa aprofundar o conhecimento da DP, por meio de medidas de avaliação válidas, sensíveis e confiáveis, de variáveis como as manifestações não-motoras e motoras, perfis semiológicos, efeitos dos medicamentos, qualidade de vida, incapacidade, necessidades psicossociais, progressão da doença, custo sócio-econômico, carga dos cuidadores, entre outras, a fim de se avaliar suas inter-relações, impactos e evolução. As informações adquiridas nesse estudo podem acarretar em importantes mudanças de conduta médica e na melhoria da qualidade de vida desses pacientes. (AU)