Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do efeito do LMP-420, um inibidor da transcrição do fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa), em camundongos mdx submetidos à atividade física

Processo: 07/03298-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2007
Vigência (Término): 30 de setembro de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Maria Cristina Ramos Costa
Beneficiário:Aline Cristina Pimenta
Instituição-sede: Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). Campus Ribeirão Preto. Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Atividade física   Distrofina   Distrofia muscular de Duchenne   Fator de necrose tumoral alfa   Modelos animais de doenças

Resumo

A Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) é uma doença degenerativa causada por mutações no gene da distrofina, uma proteína subsarcolemal importante para a conexão do citoesqueleto de actina à matriz extracelular. É caracterizada por fraqueza muscular decorrente da degeneração progressiva da musculatura esquelética e culmina em óbito precoce por falência cardíaca ou respiratória. O camundongo mdx, modelo mais utilizado para a DMD, apresenta susceptibilidade à injúria, elevação da creatina quinase sérica e ciclos de degeneração e regeneração muscular. O fenótipo distrófico brando, se comparado ao da DMD, pode ser intensificado por atividade física compulsória. A degeneração muscular, inicialmente causada pela fragilidade do sarcolema devido à ausência da distrofina, é exacerbada por um processo inflamatório crônico, do qual participam células do sistema imune e citocinas inflamatórias. Dentre elas, o fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa), liberado por mastócitos e pelas miofibras lesadas, tem um papel chave. Estudos recentes têm demonstrado que o bloqueio do TNF-alfa,utilizando anticorpos monoclonais ou o receptor solúvel, resulta em diminuição da degeneração muscular do camundongo mdx. O objetivo deste projeto é avaliar o efeito do LMP-420, um inibidor da transcrição do TNF-alfa recentemente desenvolvido, em camundongos mdx submetidos a atividade física. Para tanto, animais mdx de 4 semanas, tratados e não tratados diariamente com 25 mg/kg de LMP-420 por via subcutânea, serão submetidos a exercício compulsório por 5 semanas. A extensão do processo inflamatório muscular será avaliada por meio de dosagens de creatina quinase sérica e por análises histopatológicas quantitativas dos músculos gastrocnêmio e do diafragma, utilizando como parâmetros a área muscular relativa contendo infiltrados de células inflamatórias, a proporção de miofibras contendo núcleo não periférico, a área relativa de miofibras apresentando lesão no sarcolema e a área relativa de grupos de miofibras em processo de regeneração. O efeito inibitório do LMP-420 na transcrição do TNF-alfaserá avaliado por análise comparativa dos níveis de TNF-alfa no gastrocnêmio por RT-PCR semiquantitativo e western blot. A terapêutica da DMD é limitada e consiste, principalmente, na corticoterapia que apresenta intensos efeitos adversos. A pesquisa de novos compostos de ação sistêmica e específica - como o LMP-420 - que possam interromper ou retardar a progressão da distrofinopatia é de fundamental importância e pode beneficiar a atual geração de meninos afetados pela DMD. (AU)