Busca avançada
Ano de início
Entree

Persistência ou recidivas da neoplasia intra-epitelial cervical (NIC) em até 24 meses de seguimento pós conização diatérmica, segundo a expressão do p16, p21 e p53

Processo: 06/01521-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2006
Vigência (Término): 30 de junho de 2007
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Sophie Françoise Mauricette Derchain
Beneficiário:Ana Beatriz Maito
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Tocoginecologia   Recidiva   Neoplasia intraepitelial cervical   Infecções por Papillomavirus   Genes p53   Apoptose   Conização   Biomarcadores tumorais

Resumo

Introdução: Este estudo de iniciação científica é parte de uma linha de pesquisa para avaliação de recidiva da neoplasia intra-epitelial cervical após conização diatérmica em mulheres com infecção pelo Papilomavírus humano (HPV), em função da expressão de proteínas marcadoras da regulação do ciclo celular, da apoptose e com participação na invasividade tumoral e neo-angiogênese (auxilio Fapesp numero e 04/09309-5). Objetivo: Determinar a taxa de persistência ou recidivas da NIC em até 24 meses de seguimento pós conização diatérmica, segundo a expressão de proteína marcadora da regulação do ciclo celular (p16) e do controle da apoptose (p53, p21). Sujeitos e métodos: Será um estudo clínico prospectivo. Serão incluídas mulheres submetidas a conização diatérmica com NIC2 ou 3 nos espécimes cirúrgicos e que tenham coletado material da endocérvice para detecção e tipagem do HPV por reação da polimerase em cadeia (PCR). Será avaliada a expressão dos marcadores tumorais na peça cirúrgica. No seguimento em 6, 12 e 24 meses será realizada nova coleta para detecção e tipagem do HPV por PCR. Também será coletado material para citologia oncológica e será realizada colposcopia com biópsia das áreas suspeitas para avaliação de recidiva da NIC. A freqüência de recidivas será avaliada em função da expressão dos marcadores tumorais e do tipo viral. Para análise estatística serão usados modelos de regressão lineares.