Busca avançada
Ano de início
Entree

Formação e evolução de aglomerados abertos na galáxia

Processo: 05/01205-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2005
Vigência (Término): 30 de junho de 2007
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Astronomia - Astrofísica Estelar
Pesquisador responsável:Walter Junqueira Maciel
Beneficiário:Daniela Borges Pavani
Instituição-sede: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Fotometria   Abundância dos elementos químicos   Espectroscopia

Resumo

O projeto de pesquisa pretende realizar uma série de estudos envolvendo a formação e evolução de aglomerados abertos na nossa Galáxia. Através de observações fotométricas e espectroscópicas de alta e baixa dispersão será analisada uma amostra de aglomerados abertos em diferentes ambientes e etapas de sua evolução. Na parte de formação, o objetivo é estudar em detalhe uma seleção de aglomerados infravermelhos recentemente descobertos visando conhecer suas propriedades, a relação com as nuvens moleculares progenitoras e inferir sobre seu ambiente, em particular, aestrutura espiral da Galáxia. Um outro estudo que será realizado relaciona-se com aglomerados abertos em um estágio mais avançado. Nestecaso, o interesse é a determinação de abundâncias químicas obtidas por meio de espectroscopia de alta e baixa resolução, buscando comparações entre o disco velho da Galáxia e os outros componentes como o halo e o bojo. Para realizar tais estudos dispõe-se de dados de alta qualidade como fotometria infravermelha do telescópio de 3.55 NTT/ ESO, e espectroscopia VLT - UVES.Estes dados serão complementados com o telescópio SOAR. Portanto, além de dados já disponíveis através de tecnologia de ponta pretendemos explorar as potencialidades do telescópio SOAR já em sua fase inicial, o que é de sumaimportância. Os estudos aqui propostos são importantes para compreensão de processos físicos e químicos não somente dos próprios objetos mas também das estruturas da Via Láctea às quais pertencem.