Busca avançada
Ano de início
Entree

Literatura Brasileira e Portuguesa na Imprensa Brasileira nos anos 70 do século XIX

Processo: 10/12304-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2010
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras
Pesquisador responsável:Paulo Fernando da Motta de Oliveira
Beneficiário:Damares Rodrigues de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Literatura brasileira   Literatura portuguesa   Século XIX

Resumo

Com a publicação, em 1876, das obras de Machado de Assis e Camilo Castelo Branco, respectivamente Helena e O Cego de Landim (Novela do Minho) e em 1878 a publicação das obras de Eça de Queirós e de Machado de Assis, respectivamente O primo Basílio e Iaiá Garcia notamos também a publicação em Jornais Diversos de diversas críticas literárias que geraram uma repercussão grande, expondo o reaparecimento de uma discussão referente à defesa das literaturas brasileira e portuguesa ainda a ser analisada com mais atenção. Deste modo, este projeto tem como objetivo atentar a esta discussão, analisando as críticas publicadas, durante parte da segunda metade da década de 70 do século XIX (entre 1876 à 1878), presentes em jornais e em revistas disponíveis em microfilmes depositados na Biblioteca Florestan Fernandes (FFLCH) - principalmente no Diário do Rio de Janeiro (ampliando a análise a outros jornais ou revistas da época, como por exemplo, o Jornal do Comércio ou a Revista Illustrada ou ainda a Semana Ilustrada, caso seja necessário). A análise deste material possibilitará certamente um contato indireto com algumas obras que estavam em circulação neste período. Portanto, objetivamos neste projeto também, a fim de fundamentar a análise dos textos encontrados e corroborar os posicionamentos dos autores destes textos, fazer um breve levantamento mais sistemático das obras (portuguesas, brasileiras e francesas) em circulação no ano em que foram publicadas as obras acima mencionadas, em 1876 e 1878, através de uma análise mais detida do Diário do Rio de Janeiro (destes anos), já que presenciamos neste período esta discussão de forma mais contundente.