Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização sedimentológica e química de solos da Formação São José do Rio Preto (KS), no Noroeste do Estado de São Paulo

Processo: 06/54764-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2006
Vigência (Término): 31 de julho de 2007
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Flavio Fernando Manzini
Beneficiário:Gabriela Byzynski Soares
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Solos   Química do solo

Resumo

O solo pode ser considerado resultado da adaptação das rochas às condições de equilíbrio do meio em que se encontram expostas, geralmente diferentes daquele que condicionou sua gênese. É uma mistura de compostos minerais e orgânicos, formado pela ação de agentes físicos, químicos e biológicos, inicialmente, sobre a rocha primária, estando, sujeito à atuação das intempéries e, também, à ação antrópica, muitas vezes realizada de forma nociva. Dessa maneira objetiva-se, neste projeto, a caracterização de parâmetros físicos e químicos de solos expostos na porção noroeste do Estado de São Paulo, gerados a partir de rochas da Formação São José do Rio Preto, neocretáceo do Grupo Bauru. O estudo físico compreenderá o fracionamento granulométrico das amostras coletadas e a determinação da superfície específica. As análises químicas envolverão metodologias para definir o pH do solo, o teor de matéria orgânica, os teores de Fe, Si e Al das argilas presentes e, também, os teores de Ca e Mg trocáveis. Serão realizados, ainda, estudos de adsorção dos solos frente à presença de Halossulfurom e Imazaquim, pesticidas de uso comum na agricultura, para determinar dentre as amostras, quais solos retém mais ou menos e em que quantidades, os compostos ativos destas substâncias. Este projeto objetiva, também, o início de uma linha de pesquisa muito importante para o recém criado Curso de Bacharelado em Química Ambiental, da UNESP, de São José do Rio Preto. (AU)