Busca avançada
Ano de início
Entree

Maturidade sexual do carangueijo Uca Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustacea, Decapoda, Brachyura), no litoral sul do Estado de São Paulo

Processo: 99/07892-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 1999
Vigência (Término): 30 de setembro de 2000
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Morfologia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Marcelo Antonio Amaro Pinheiro
Beneficiário:Gustavo Yomar Hattori
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Ocypodidae   Caranguejo   Reprodução   Brachyura   Crustacea

Resumo

O estudo dos crustáceos decápodos tem acrescido informações importantes ao conhecimento biológico de espécies nativas, favorecendo a preservação e gerenciamento de seus estoques naturais. Apesar disso, poucas são as contribuições sobre a biologia do caranguejo Ucides cordatus (Linnaeus, 1763), que apresenta importância como alimento humano em várias regiões brasileiras. O objetivo deste projeto é estimar o tamanho de cada sexo início da maturidade morfológica e fisiológica, verificar a existência de sincronia entre tais eventos e estabelecer a maturidade funcional da espécie. Unia população de U. cordatus será amostrada mensalmente durante um período anual na região de Iguape (SP), totalizando cerca de 150 exemplares/mês. Estes serão sexados, mensurados (LC = largura da carapaça; CP = comprimento do própodo do quelípodo maior; LA = largura do 5° somito abdominal) e inspecionados quanto a maturação gonadal (análise macroscópica das gônadas). Posteriormente, serão distribuídos por sexo em classes de tamanho (LC), agrupando-se os estágios maturos, para a determinação das curvas de maturidade fisiológica para cada sexo e o tamanho em que ela se inicia (LC50%). A maturidade morfológica de cada sexo será determinada peia análise das relações CPxLC (machos) e LAxLC (fêmeas), utilizando o programa MATURE, as quais serão confrontadas com aquelas estabelecida para a maturidade fisiológica. Tais dados poderão ser utilizados no estabelecimento do tamanho mínimo de captura da espécie na região, possibilitando uma exploração racional deste recurso e manutenção da população em níveis adequados à extração. (AU)