Busca avançada
Ano de início
Entree

Exploração de modos funcionais na tomografia de impedância elétrica (TIE): diagnóstico de derrame pleural

Processo: 03/07229-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2003
Vigência (Término): 31 de março de 2005
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Marcelo Britto Passos Amato
Beneficiário:Fernando Cesar Furlan
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:01/05303-4 - Novas estratégias em ventilação artificial: diagnóstico e prevenção do barotrauma/biotrauma através da tomografia de impedância elétrica (TIE), AP.TEM
Assunto(s):Derrame pleural   Respiração artificial

Resumo

No ambiente de terapia intensiva, a detecção precoce de derrame pleural é fundamental para o diagnóstico clínico assim como para o planejamento da terapêutica. Atualmente, não há métodos eficientes, com adequada sensibilidade e especificidade para a detecção do derrame pleural em terapia intensiva. O objetivo da presente pesquisa é testar a especificidade e sensibilidade da Tomografia de impedância elétrica (TIE) na detecção de derrames pleurais produzidos artificialmente em porcos. A sua especificidade no diagnóstico diferencial com atelectasias pulmonares será especialmente avaliada. Finalmente, tentaremos também estabelecer se a tecnologia permite a diferenciação entre uma efusão pleural de baixa celularidade e uma de alta celularidade. Serão utilizado 6-10 porcos adultos. Após adequada anestesia e ventilação mecânica, será feita uma toracotomia com introdução de um dreno a ser alojado no espaço pleural. Através deste, injetaremos quantidades crescente de soro fisiológico (simulando um derrame pleural) ou de sangue com anticoagulantes (simulando uma efusão de alta celularidade). A atelectasia será induzida pela ventilação mecânica com baixos volumes correntes, sob fração inspirada de oxigênio = 100%. Faremos a captação de imagens utilizando um protótipo de TIE desenvolvido pela escola politécnica, capaz de produzir imagens estáticas e dinâmicas, que serão superpostas para aumentar a precisão diagnostica. (AU)