Busca avançada
Ano de início
Entree

Remoção biológica de sulfato: recuperação de enxofre elementar e biofiltração

Processo: 07/08335-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2008
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2009
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Tratamentos de Águas de Abastecimento e Residuárias
Pesquisador responsável:Marcelo Zaiat
Beneficiário:Arnaldo Sarti
Instituição-sede: Escola de Engenharia de São Carlos (EESC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:05/51702-9 - Desenvolvimento de sistemas combinados de tratamento de águas residuárias visando à remoção de poluentes e à recuperação de energia e de produtos dos ciclos de carbono, nitrogênio e enxofre, AP.TEM
Assunto(s):Tratamento de águas residuárias   Tratamento biológico   Enxofre

Resumo

Para evitar a degradação de mananciais devido à presença de compostos de enxofre (sulfato e sulfeto), torna-se necessário investir em tecnologias apropriadas para remoção de tais compostos, principalmente, de águas residuárias industriais. Devido aos problemas relacionados ao sulfato e sulfetos, quando lançados indiscriminadamente no ambiente, os órgãos de controle ambiental têm exigido que as fontes emissoras reduzam as concentrações destes íons nas águas residuárias. No Estado de São Paulo, a Lei no 997 de 31 de maio de 1976, regulamentada pelo Decreto Estadual 8468 de 1976, estabelece a concentração máxima de 1.000 mgSO42-.l-1 como sulfato (artigo 19a) e 1,0 mg.l-1 na forma de sulfetos (idem CONAMA 357) para efluentes líquidos lançados direta ou indiretamente nos corpos receptores. Pela via anaeróbia, os sulfatos podem ser reduzidos a sulfetos e subsequentemente re-oxidados para enxofre elementar (S0), o qual pode ser recuperado e, dessa forma, ser reciclado na cadeia produtiva na produção de ácido sulfúrico ou utilizado na agricultura como condicionante de solo. Neste projeto, a principal ideia é a recuperação do enxofre elementar, bem como viabilizar o tratamento de odores (H2S(gás)) ambos pela via biológica, já que, especificamente o tratamento do sulfato em sistema biológico anaeróbio foi realizado pelo Eng. Arnaldo Sarti (pós-doutorado: FAPESP- nº 03/07799-2) e teve o pedido de patente (Universidade de São Paulo, CNPq e Fapesp) protocolado junto ao INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial: nº 132398). O desenvolvimento de tecnologia para este tipo de efluente representa a introdução da opção biotecnológica para adequação do ponto de vista ambiental e econômico pela recuperação de subprodutos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SARTI, ARNALDO; POZZI, ELOISA; ZAIAT, MARCELO. Characterization of Immobilized Biomass by Amplified rDNA Restriction Analysis (ARDRA) in an Anaerobic Sequencing-Batch Biofilm Reactor (ASBBR) for the Treatment of Industrial Wastewater. Brazilian Archives of Biology and Technology, v. 55, n. 4, p. 623-629, JUL-AUG 2012. Citações Web of Science: 2.
SARTI, ARNALDO; ZAIAT, MARCELO. Anaerobic treatment of sulfate-rich wastewater in an anaerobic sequential batch reactor (AnSBR) using butanol as the carbon source. Journal of Environmental Management, v. 92, n. 6, p. 1537-1541, JUN 2011. Citações Web of Science: 37.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.