Busca avançada
Ano de início
Entree

Cotidiano dos homens na Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (1950-1990)

Processo: 10/02765-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2010
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Enfermagem
Pesquisador responsável:Genival Fernandes de Freitas
Beneficiário:Kleber de Souza Costa
Instituição-sede: Escola de Enfermagem (EE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Homens   Enfermeiros   Estudantes de enfermagem   História da enfermagem

Resumo

Durante a minha graduação tenho desenvolvido projeto de iniciação científica sobre a temática da Presença Masculina na Escola de Enfermagem da USP, como membro do Grupo de Pesquisa "História e Legislação da Enfermagem", coordenado pelo Prof. Dr. Genival Fernandes de Freitas, do Departamento de Orientação Profissional da EEUSP e ao Grupo de Pesquisa "História e Legislação da Enfermagem", vinculado ao Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Portanto, o objeto da investigação proposta contempla a presença do homem na enfermagem, mais especificamente, o homem egresso da Escola de Enfermagem da USP. Nesse sentido, é sabido que diversos autores pontuam que a presença masculina na enfermagem foi significativa em determinados momentos e contextos históricos. Destaca-se que, "historicamente, a enfermagem era considerada uma ocupação masculina. Em tempos de guerra, epidemias ou calamidades, homens cuidavam dos doentes e dos feridos". Nessa direção, a história da enfermagem é rica em citações sobre homens que significaram marcos importantes na evolução da enfermagem como profissão, mas estes ou eram religiosos movidos pela devoção e caridade, ou eram militares levados pela obediência às ordens superiores ou necessidades bélicas, ou mesmo médicos na busca de auxiliares para o seu trabalho. O homem aparece, então, na enfermagem, em decorrência da grande influência das ordens religiosas e militares, pela necessidade da força física nas áreas da psiquiatria e ortopedia ou por outro motivo como a separação dos pacientes em enfermarias, conforme o sexo, ou seja, era necessária a presença masculina na enfermagem para atender a urologia, a ortopedia, o atendimento ao doente mental, etc. A presente proposta de investigação é de natureza histórico-social, em que a História Oral Temática é utilizada como referencial metodológico a fim de coletar os dados, considerando-se que este método constitui-se em um recurso moderno usado para elaboração de documentos, arquivamento, e estudos referentes à vida social de pessoas e, também, por ele sempre retrata uma história do tempo presente e é reconhecido como história viva. Também é utilizada a pesquisa quantitativa, com base nas fontes documentais existentes na EEUSP, os registros e fichas de admissão dos ex-alunos, a fim de identificar o perfil sócio-demográfico dessa população. Assim, a proposta deste estudo tem como objetivos: Identificar os homens formados na EEUSP, no período de 1950-1990, segundo o critério ano de formados; Descrever o cotidiano desses ex-alunos (homens) na EEUSP em relação às trajetórias vivenciadas durante a graduação e inserção profissional, posteriormente à formação; Reconhecer as motivações e expectativas desses ex-alunos ao ingressarem no curso de Enfermagem; Analisar se, com a escolha pelo curso de enfermagem oferecido pela Universidade de São Paulo - USP, o "sucesso" profissional e pessoal dos ex-alunos (homens) foi alcançado, segundo o projeto de vida desenvolvido por cada um. Do universo a ser pesquisado, serão entrevistados enfermeiros egressos da EEUSP e que atenderem aos seguintes critérios de inclusão: terem se formado nessa Escola no período delimitado e aceitarem participar de forma livre e espontânea do estudo. A presença masculina na enfermagem da EEUSP apresentou-se como fato primordial de interesse do presente estudo, que é inédito e servirá como uma contribuição à pesquisa institucional e ao projeto temático de investigação do Grupo de Pesquisa já mencionado - grupo ao qual a pesquisa está vinculada, além de enriquecer o conhecimento sobre a história e memória não somente da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, mas da Enfermagem brasileira. Por fim, a pesquisa irá conceder prestígio e conhecimento geral sobre certos acontecimentos vivenciados pelos homens nesta Escola, colocando em evidência a identidade social da EEUSP. (AU)