Busca avançada
Ano de início
Entree

Aprimoramento de técnicas na produção de vidros metálicos volumosos

Processo: 04/09613-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2004
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2007
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Metalurgia Física
Pesquisador responsável:Claudio Shyinti Kiminami
Beneficiário:Piter Gargarella
Instituição-sede: Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia (CCET). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:01/01516-3 - Processamento de materiais envolvendo microestruturas fora-do-equilíbrio e determinação de suas propriedades, AP.TEM
Assunto(s):Ligas de alumínio   Solidificação rápida

Resumo

As ligas nano-quasicristalinas a base de alumínio, com microestrutura constituída por reforços de partículas icosaedrais de tamanho nanométrico embebidas em matriz de Al apresentam alta estabilidade microestrutural semelhante aos compósitos amorfos. No entanto, suas propriedades mecânicas são similares aos compostos intermetálicos e materiais cerâmicos, sendo extremamente frágeis à temperatura ambiente. Para aplicações comerciais as ligas quasi-cristalinas precisam ser produzidas em peças de grande volume. Estudos recentes reportam o sucesso na produção de amostras de grande volume com fases quasicristalinas dispersos numa matriz de alumínio, por consolidação por extrusão a quente de pós atomizados a gás, sendo que foram obtidos limites de resistência à ruptura próximos a 1GPa e alongamentos até a fratura entre 5 e 10%. Deformações essas 2 a 3 vezes superiores às das ligas convencionais. A proposta do trabalho de iniciação científica é a caracterização e determinação da evolução microestrutural da fase quasicristalina icosaedral Al-Fe-Cr-Mn e de fases intermetálicas no depósito obtido por conformação por spray. As técnicas de microscopia ótica e microscopia eletrônica de varredura, difratometria de raios-X, calorimetria diferencial de varredura serão utilizadas na caracterização microestrutural. Medidas de dureza e ensaios de compressão a frio serão utilizados na caracterização mecânica. (AU)