Busca avançada
Ano de início
Entree

Os possíveis impactos do Plano Colômbia no Brasil: aspectos econômicos, estruturais e diplomáticos

Processo: 01/08353-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2001
Vigência (Término): 30 de setembro de 2003
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Economia - Economia Internacional
Pesquisador responsável:Enrique Amayo Zevallos
Beneficiário:Fábio Borges
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Colômbia   Brasil   Amazônia

Resumo

Este é um projeto de iniciação científica planejado para ser finalizado em dois anos e apresentado como monografia do curso de Economia. O "Plano Colômbia" é um projeto financeiro - militar visando especialmente combater o problema do narcotráfico. É financiado parte pelo Estado colombiano, U§$ 4 bilhões, e o restante pela comunidade internacional, totalizando US$ 7,5 bilhões. A ajuda não se restringe apenas à arte financeira, mas também é militar. Nesse ponto é importante avaliarmos quais as possíveis conseqüências de uma ingerência dos EUA na estratégica região amazônica e quais seus reais interesses, para a partir daí, traçar a política que os países amazônicos, especialmente o Brasil, estão adotando e se ela defende seus próprios interesses. É necessário o conhecimento da dinâmica do plano. Nesse caso o Brasil tem três preocupações: fuga dos narcotraficantes, que poderiam instalar laboratórios de cocaína na selva amazônica brasileira; danos ambientais pela propagação de um fungo transgênico criado para destruir as plantas de coca e o uso de sua Amazônia como esconderijo dos guerrilheiros. Estes temas serão estudados no primeiro ano. Um problema de âmbito mundial, a ser trabalhado no segundo ano é a "Economia da Droga". Ela envolve interesses de diversos países desde a produção, pois normalmente além da matéria-prima necessita também de substâncias químicas, até o consumo onde há uma relação entre países pouco desenvolvidos com desenvolvidos. (AU)