Busca avançada
Ano de início
Entree

Uso Sustentável da Biodiversidade Brasileira: prospecção químico-farmacológica em plantas superiores: estudo químico de Qualea

Processo: 03/07809-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2003
Vigência (Término): 31 de março de 2005
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Orgânica
Pesquisador responsável:Wagner Vilegas
Beneficiário:Susel Taís Coelho Soares
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:02/05503-6 - Uso sustentável da biodiversidade brasileira: prospecção químico-farmacológica em plantas superiores, AP.BTA.TEM
Assunto(s):Cromatografia   Plantas medicinais

Resumo

Dentro do projeto de pesquisa proposto Biota-Fapesp (Proc. 02/05503-6), deverá ser iniciado o estudo fitoquímico de espécies do gênero Qualea. O gênero Qualea (Vockysiaceae) ocorre em toda América Tropical, desde o México, passando pelo Peru e Guianas, até o Brasil. As espécies são conhecidas popularmente como mandioqueira ou quaruba. São árvores altas, com mais de 30 m, cuja coloração interna do tronco é rosada ou avermelhada. A madeira pode ser usada em marcenaria, para construções ou mobílias. A madeira tem valor apreciável, pois o preço de 1Kg de Q. paraensis está quotado em US$118,00. Praticamente inexistem trabalhos sobre a composição química de espécies do gênero. Estudos preliminares indicaram que extratos das cascas de Qualea sp. Apresentam atividade anti-úlceras gástricas. Triagem cromatográfica usando reveladores específicos para cada classe de produtos naturais sugeriram a presença de flavonóides, saponinas e compostos fenólicos. Contudo, como a espécie não se encontrava identificada, os estudos foram interrompidos, apesar dos interessantes resultados preliminares obtidos, tanto químico, quanto farmacologicamente. Tendo em vista o potencial atividade anti-úlceras gástricas das espécies de Qualea e o fato de que aparentemente possuem metabólitos secundários de interesse, estamos nos propondo a realizar os estudos fitoquímicos de espécies desse gênero. A primeira etapa desse trabalho envolve uma triagem cromatográfíca (TLC) e espectrométrica (RMN 1H) preliminar, a fim de termos um panorama geral da composição de cada uma das espécies. Em seguida, aquela espécie vegetal que se mostrar mais interessante do ponto de vista fitoquímico será estudada mais profundamente. Sendo utilizado para o fracionamento técnicas usuais (CC, DCCC, HSCCC, GPC, HPLC) até que se consigam substâncias puras. Em seguida, as substâncias serão analisadas por vários métodos espectroscópicos (RMN, IV, UV, MS), a fim de determinarmos a estrutura das substâncias. Este trabalho terá um acompanhamento paralelo à atividade farmacológica. Deve-se salientar, contudo que, devido à formação da aluna e de seu orientador, o enfoque deste trabalho de iniciação científica é químico. Se possível, a aluna poderá acompanhar os ensaios farmacológicos, mas seu trabalho consistirá basicamente na preparação dos extratos, triagem cromatográfica e espectroscópica, fracionamento dos extratos e purificação das substâncias. A identificação das substâncias ficará a cargo do orientador, sendo que a aluna deverá aprender a utilizar cada uma das técnicas espectrais envolvidas em seu trabalho. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.