Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da Injeção do PEDF no epicentro da lesão isquêmica fototrombótica aguda na neuroproteção e nas modificações estruturais e neuroquímicas na medula espinal do rato.

Processo: 08/05423-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2008
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Gerson Chadi
Beneficiário:Bruno Bonganha Zanon
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Traumatismos da medula espinal   Neuroproteção   Medula espinhal   Isquemia   Fármacos neuroprotetores

Resumo

O fator derivado do epitélio pigmentado (PEDF) é um fator neurotrófico recém descoberto que possui potentes funções neuroprotetoras em algumas áreas do SNC, porém com grande potencial trófico aos neurônios motores da medula espinal. As ações tróficas do PEDF podem somar-se aos seus efeitos indiretos sobre o processo angiogênico e de reparo/cicatrização da medula espinal lesada.O componente isquêmico das lesões medulares traumáticas e aquelas isquêmicas propriamente ditas não são adequadamente avaliados experimentalmente, tão pouco são estudados os efeitos de moléculas neurotróficas nestes processos que ocorrem na medula espinal lesada.Para avaliar o efeito da injeção local no trofismo e neuroplasticidade dos neurônios motores da medula espinal, ratos Wistar machos adultos serão submetidos à lesão medular isquêmica do tipo fototrombótica, segundo o método com o "Rose Bengal", na altura do 11º segmento torácico e imediatamente tratados com inoculação local de 10µl de solução PEDF (100ng/ml, n=10) ou solvente (n=10). Ratos submetidos à cirurgia simulada (n=10) receberão a injeção do solvente. Após período de 8 semanas, os animais de cada grupo serão sacrificados por perfusão de fluido fixador no sistema circulatório . As medulas espinais serão processadas para a imunohistoquímica. As respostas tróficas serão avaliadas pelo volume da lesão e pelo número de neurônios medulares remanescentes marcados pela imunorreatividade do neurofilamento 200, utilizando-se quantificações estereológicas específicas. Os fenômenos de neuroplasticidade serão estudados ao nível celular através da quantificação por análise microdensitométrica de imagem das proteínas neuronais estruturais, proteína associada ao crescimento-43 (GAP-43) e proteína associada ao microtúbulo-2 (MAP-2), bem como os neuropeptídeos substância P e neuropeptídeo Y em preparados imunohistoquímicos da porção lombar da medula espinal.