Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização de mudanças subcelulares e da expressão dos genes codificadores das enzimas tirosina hidroxilase e dopa descarboxilase no tegumento em diferenciação da abelha Apis mellifera

Processo: 10/10199-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2010
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Animal
Pesquisador responsável:Marcia Maria Gentile Bitondi
Beneficiário:Luísa Lange Canhos
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Apis mellifica   Dopa descarboxilase

Resumo

O tegumento dos insetos é formado por uma camada de células, a epiderme, e seu produto de secreção, a cutícula, um exoesqueleto rígido, constituído principalmente por proteínas e quitina. Devido ao seu caráter indistensível, a cutícula é periodicamente renovada ao longo do desenvolvimento do animal, do estágio larval ao adulto. Cada processo de renovação envolve a síntese de moléculas pela epiderme, as quais serão utilizadas na construção e estruturação da nova cutícula, ou na participação em reações necessárias ao processo de maturação - como o escurecimento (melanização) e enrijecimento (esclerotização). Ao longo dessas transformações, o tegumento sofre intensas modificações genéticas, bioquímicas e morfológicas, as quais ainda não estão suficientemente caracterizadas e entendidas. Através desse trabalho, pretende-se caracterizar as transformações do tegumento da abelha Apis mellifera durante a fase final da metamorfose - que compreende o período de desenvolvimento que se estende do estágio pupal ao adulto - na qual ocorre o processo de maturação da cutícula, que se caracteriza pela ativação da síntese de melanina e intensificação da esclerotização. Os genes codificadores de duas enzimas que atuam nestes processos, a tirosina hidroxilase e a dopa descarboxilase, serão clonados e sequenciados, e terão a sua expressão caracterizada. A fim de elucidar as alterações subcelulares que ocorrem no tegumento, pretende-se utilizar microscopia eletrônica de transmissão, buscando analisar sua ultraestrutura para melhor compreender os processos de diferenciação deste tecido durante a última etapa da metamorfose.