Busca avançada
Ano de início
Entree

Participação dos receptores muscarínicos e purinérgicos metabotrópicos na diferenciação de células-tronco e sua relação com a produção de óxido nítrico

Processo: 09/01949-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2009
Vigência (Término): 30 de abril de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Celular
Pesquisador responsável:Alexander Henning Ulrich
Beneficiário:Claudiana Lameu
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/61285-9 - Bases moleculares da diferenciação de células-tronco e progenitoras neurais, AP.TEM
Assunto(s):Células-tronco   Peptídeos e proteínas de sinalização intracelular   Óxido nítrico   Neurociências   Diferenciação neuronal

Resumo

Uma ampla variedade de células com fenótipos diferentes que compõe o sistema nervoso deve-se ao desenvolvimento diferencial das células-tronco e progenitoras, que podem dar origem a neurônios e glia (astrócitos e oligodendrócitos). A utilização de células-tronco em terapias para diversas doenças consideradas até o momento incuráveis vem da sua capacidade em originar diversos tipos celulares com a promessa de substituir ou reparar tecidos lesados. As células-tronco adultas, como as células de lipoaspirado, possuem capacidade de diferenciação em células neurais a partir de sua cultura com meio condicionado de células progenitoras neurais de rato (neuroesferas). Ainda, estas neuroesferas tem-se tornado forte aliada como progenitoras e utilizadas em regeneração em modelo de lesão de nervo ciático.O desenvolvimento do SNC é dependente da cooperação de diversos eventos de determinação celular e da ação conjunta de diversos fatores epigenéticos. Os neurotransmissores vêm confirmando-se como moléculas morfogênicas, moduladoras da diferenciação neuronal em fases iniciais do desenvolvimento embriônico e a participação do óxido nítrico na modulação desse desenvolvimento tem sido recentemente citado. Alguns estudos demonstraram o papel dos fatores tróficos na proliferação de células progenitoras neurais in vitro e in vivo e ainda, alguns estudos tentaram relacionar a ativação dos receptores muscarínicos de acetilcolina (mAChRs) e seus mecanismos de transdução de sinais na regulação da proliferação de células progenitoras neurais. A sinalização purinérgica também está envolvida na neurogênese, sendo que quando se bloqueia os receptores P2Y2 em modelo de diferenciação neuronal de células de carcinoma embrionário P19, há inibição da resposta dos receptores colinérgicos. Em contrapartida, o NO está envolvido no controle da proliferação de células neurais, sendo a nNOS expressa em cérebros em desenvolvimento de certa forma que sugere o seu envolvimento com a diferenciação celular neural.Neste contexto, células progenitoras neurais de ratos como as neuroesferas e células-tronco mesenquimais obtidas a partir de lipoaspirado deverão ser caracterizadas quanto a sua capacidade de se diferenciarem em células neurais junto a expressão de receptores muscarínicos e purinérgicos, bem como sua funcionalidade durante a diferenciação das neuroesferas e células-tronco mesenquimais. Será investigado a alteração fenotípica das células durante o progresso da diferenciação neural com o padrão da expressão e atividade de receptores metabotrópicos colinérgicos e purinérgicos e a síntese de NO. Os fenótipos investigados serão comparados aos obtidos na presença de inibidores de subtipos-específicos de receptores muscarínicos e P2Y ou de NO sintase. Será também avaliada a inibição da síntese de NO sobre o progresso de diferenciação neural, tais como a percentagem de neurônios e células gliais obtidas e um possível atraso da diferenciação, na ausência de NO.