Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação histopatológica e imunoistoquímica do miocárdio de cães com leishmaniose visceral.

Processo: 10/08125-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2010
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Mary Marcondes
Beneficiário:Fernanda Harada Baltazar
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araçatuba. Araçatuba , SP, Brasil
Assunto(s):Leishmania infantum

Resumo

Dentre as alterações que ocorrem na leishmaniose visceral descreve-se o comprometimento da função cardíaca. No entanto, ainda existem várias dúvidas a serem esclarecidas no que diz respeito à etiopatogenia da lesão a esse órgão, isto é, se esta representa uma reatividade inespecífica do miocárdio, ou se pode ser decorrente de uma miocardite especificamente por leishmaniose visceral. Embora diversos autores tenham relatado o envolvimento cardíaco em seres humanos e cães com leishmaniose visceral, as literaturas médica e veterinária são escassas quanto à descrição de alterações histopatológicas e imunoistoquímicas do miocárdio. Na tentativa de elucidar a patogenia da doença, a imunomarcação de leishmanias, linfócitos, imunoglobulinas e macrófagos tem sido avaliada em alguns estudos realizados em cães portadores de leishmaniose visceral. Baseando-se na hipótese de que cães com leishmaniose visceral apresentam comprometimento cardíaco e que a fisiopatogenia da doença não está totalmente elucidada, serão estudados 40 cães com leishmaniose visceral encaminhados ao Hospital Veterinário da Universidade Estadual Paulista - UNESP - Campus de Araçatuba, com o objetivo de caracterizar as alterações histopatológicas e detectar, por imunoistoquímica, a presença de formas amastigotas de Leishmania sp, linfócitos TCD3+, CD4+, CD8+, CD21+, CD79+, macrófagos CD68+ e IgG e no tecido miocárdico.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa: