Busca avançada
Ano de início
Entree

Levantamento da helmintofauna de hypsiboas raniceps (cope, 1862) no pantanal slmatogrossense

Processo: 08/58888-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2009
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Pesquisador responsável:Reinaldo José da Silva
Beneficiário:Vivian Tiemi Hamamoto Cypriano
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Anura   Helminthes   Pantanal

Resumo

Em virtude da grande diversidade da fauna brasileira, a ocorrência de novos parasitos, o registro de novos hospedeiros 1 para espécies de parasitos previamente descritas, a distribuição dos parasitas nas diferentes regiões do país, e a freqüência de helmintos em determinadas populações animais, ainda são temas a serem investigados, principalmente quando os estudos estão relacionados aos animais de vida livre. O Pantanal é a maior planície de inundação contínua do planeta e, relativamente, desconhecida para o resto do mundo. Na primeira metade do século XIX, o naturalista Natterer coletou endoparasitos de peixes, répteis, mamíferos e aves na região de Cuiabá, MT. Esse material originou algumas das primeiras descrições de parasitas no Brasil por Diesing e Rudolphi. Somente quase um século após Natterer, novas coletas de endoparasitos de animais silvestres foram realizadas, na região, por Travassos, e, após essas descrições, pouco tem sido acrescentado sobre a endofauna parasitária de animais no Pantanal. Considerando que na região ocorrem cerca de 80 espécies de mamíferos, 350 de aves, 260 de peixes e 50 de répteis e também grande diversidade de espécies de anfíbios, pode-se afirmar que a endofauna parasitária dos vertebrados no Pantanal está, ainda, em sua maior parte, por ser identificada. Deste modo, pretende-se neste projeto estudar a helmintofauna de Hypsiboas raniceps (Cope 1862), um anfíbio anuro muito abundante na região do pantanal, mas que ainda foi pouco estudado do ponto de vista parasitológico. Espera-se com o presente projeto contribuir para o conhecimento da helmintofauna de anfíbios do pantanal. (AU)