Busca avançada
Ano de início
Entree

Homofobia, processos de subjetivação e construções de identidades na cidade de Assis

Processo: 08/05418-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2008
Vigência (Término): 30 de novembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Social
Pesquisador responsável:Fernando Silva Teixeira Filho
Beneficiário:Daniel Kerry dos Santos
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis , SP, Brasil
Assunto(s):Homofobia   Subjetividade   Homossexuais   Homossexualidade masculina   Estudos de gênero   Estudos culturais   Relações de gênero   Assis (SP)

Resumo

Essa pesquisa se propõe a cartografar os processos de subjetivação e as construções de identidades masculinas gays frente à homofobia na cidade de Assis. Compreendemos a homofobia como a existência de sentimentos de aversão, rejeição, repulsa irracional e hostilidade sistemática em relação aos homossexuais masculinos e/ou femininos que se expressam de diversos modos (verbal, discursiva e fisicamente). Nesse estudo salientamos a importância de se pensar esse fato social dentro de uma perspectiva de análise baseada nos Estudos de Gênero e Culturais, problematizando as relações de gênero enquanto uma forma de atualizações de forças e poderes micropolíticos e microfísicos que instituem modos de existência, de subjetivações e, por conseqüência, de construções de identidades. Para traçar essa cartografia do desejo homossexual masculino em Assis trabalharemos com histórias de vidas de quatro homens homossexuais com mais de trinta anos e que tenham residido em Assis por no mínimo dez anos. As histórias de homossexuais da cidade de Assis ao comporem as cartografias podem responder ou pelo menos dar alguma luz sobre o que esses sujeitos fazem de suas sexualidades e de suas vidas frente à homofobia: Como esses sujeitos regulam suas condutas em relação à homofobia? Como esses sujeitos são capazes (ou não) de produzir desterritorializações em direção aos processos de singularização visando escapar da homofobia?