Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos de ajuste dos relógios biológicos: papel dos esteróides adrenais e ovarianos

Processo: 09/05227-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2009
Vigência (Término): 31 de março de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia Comparada
Pesquisador responsável:Ana Maria de Lauro Castrucci
Beneficiário:Maristela de Oliveira Poletini
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/03381-1 - Fisiologia comparativa de relógios periféricos: genes de relógio (CLOCK, PER1, PER2, CRY1 e BMAL 1) e sua modulação por luz e hormônios em peixes, anfíbios e mamíferos, AP.TEM
Assunto(s):Glucocorticoides   Ritmo circadiano   Estradiol

Resumo

Relógios biológicos são fundamentais para a sincronização do comportamento dos organismos a mudanças no fotoperíodo. Uma alça auto regulatória de transcrição e tradução de genes, chamados genericamente de genes de relógio, é a base molecular que regula os relógios biológicos. Em mamíferos, apesar da expressão destes genes ocorrer amplamente por todo o organismo, é o núcleo supraquiasmático (SCN), o responsável pela geração e coordenação dos diversos relógios, sendo considerado o relógio central. No entanto, os mecanismos pelos quais o SCN envia o sinal circadiano do fotoperíodo para a periferia não são completamente conhecidos. Fatores hormonais são sugeridos como parte destes mecanismos. Uma vez que os glicocorticóides são secretados de maneira circadiana, e que o estradiol é necessário para a secreção circadiana de gonadotrofina pela hipófise anterior, propomos que estes hormônios façam parte destes mecanismos, modulando a expressão rítmica dos genes de relógio em tecidos periféricos. Considerando que células em cultura possam constituir modelos de relógios periféricos, avaliaremos a expressão dos genes de relógios em células murinas de melanoma B-16, modelo para o estudo de células pigmentares e em células hipotalâmicas imortalizadas, GT1-7, modelo para o estudo da secreção do hormônio liberador de gonadotrofina. Após o tratamento com dexametasona, um análogo sintético dos glicocorticóides, e com estradiol, a bioluminescência de luciferina gerada pela ativação da luciferase ligada ao promotor de Per1, um dos genes de relógio, será quantificada; além da determinação da expressão endógena dos transcritos e das proteínas dos genes dos relógios.