Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência do etanol no processo de luteólise em bovinos

Processo: 04/03012-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2004
Vigência (Término): 30 de abril de 2005
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:Mario Binelli
Beneficiário:Flavia Regina Oliveira de Barros
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:99/03383-9 - As funções do estradiol no processo da luteólise em bovinos, AP.JP
Assunto(s):Corpo lúteo   Prostaglandinas   Luteólise   Bovinos   Etanol

Resumo

As prostaglandinas constituem uma família de mediadores lipídicos que têm como precursor o ácido araquidônico. Sabe-se que o etanol é capaz de interferir na síntese destes mediadores, principalmente quando esta se dá no fígado. Em experimentos realizados no Laboratório de Fisiologia e Endocrinologia Molecular (LFEM), observou-se um nítido estímulo do etanol na produção da prostaglandina F-2a (PGF-2a), o mais importante agente luteolítico na espécie bovina. A partir desta observação, surgiu a necessidade de estudar o papel do etanol na produção de PGF-2a e na luteólise. A hipótese do presente trabalho é de que a produção de PGF-2a estimulada pelo etanol não é luteolítica. Com a realização de um estudo in vivo pretende-se verificar se a PGF-2a produzida mediante estímulo do etanol é capaz de diminuir a concentração plasmática de progesterona (P4), causando a regressão do corpo lúteo (CL). Com o uso de explantes endometriais de vacas no 17º dia do ciclo estral pretende-se estudar a capacidade do útero de produzir PGF-2a em resposta ao etanol. Este trabalho contribuirá para a evolução do projeto principal aprovado "As funções do estradiol no processo de luteólise em bovinos" (número FAPESP 99/03383-9). (AU)