Busca avançada
Ano de início
Entree

Sentenças Bitransitivas do Português do Brasil revisitadas à luz da cartografia estrutural do IP

Processo: 07/07995-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2008
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2008
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Linguística - Teoria e Análise Lingüística
Pesquisador responsável:Ana Paula Scher
Beneficiário:Paula Roberta Gabbai Armelin
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Sintaxe

Resumo

Neste trabalho pretendo retomar a investigação das sentenças bitransitivas do português do Brasil (PB). Em particular, procurarei discutir os aspectos informacionais de pares de sentenças tais como o Paulo deu um livro ao João/O Paulo deu ao João um livro, bem como do par correspondente Paulo deu um livro o João/O Paulo deu o João um livro, já atestado no dialeto do PB falado na Zona da Mata mineira, doravante PBM, investigado em Scher (1996). Num primeiro momento buscarei propor uma estrutura sintática para as sentenças bitransitivas do PB e do PBM, tomando por base teórica o quadro da Teoria Gerativa, mais especificamente à luz da Cartografia Estrutural de IP apresentada em Belletti (2002). A partir daí, no entanto, será necessário também explicar a ausência da preposição/artigo do Objeto Indireto do PBM e para tanto tomarei como base um dos recentes desenvolvimentos da Gramática Gerativa conhecido como Morfologia Distribuída (Halle & Marantz, 1993, Marantz, 1997). Assim, buscarei verificar que tipo de operação morfológica está acontecendo que faz com que, na hora da inserção de vocabulário, a preposição não entre na estrutura. Assim, essa investigação pretende: (i) contribuir para os estudos a respeito da estrutura sintática das sentenças com verbos bitransitivos; e (ii) providenciar uma explicação para essa ausência da preposição na morfologia, buscando apresentar uma nova análise para os casos de "tópico sem cabeça", que já foram descritos na literatura em sintaxe.