Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do alto CO2 sobre o índice estomático e outras características foliares em três árvores da Mata Atlântica

Processo: 08/01849-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2008
Vigência (Término): 31 de julho de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Pesquisador responsável:Marcos Silveira Buckeridge
Beneficiário:Leonardo Hamachi
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Dióxido de carbono   Aquecimento global   Plantas tropicais

Resumo

Os efeitos do aumento da concentração de dióxido de carbono na atmosfera terrestre resultante da ação antrópica começaram a preocupar cientistas desde a primeira metade do século XX. Hoje se sabe que esse gás é o principal causador do aquecimento global, o que confere ao ser humano a maior responsabilidade sobre tal fenômeno. O problema já é reconhecido mundialmente e envolve ameaças à espécie humana e à biodiversidade. As plantas, destacando-se as que constituem as florestas tropicais, possuem papéis importantes nesse quadro, o de maiores sequestradoras vivas de carbono, através da fotossíntese, e o de maiores reguladoras do ciclo do CO2 e da água do planeta. Diversos estudos foram feitos envolvendo os efeitos de altas concentrações de CO2 em vegetais, mas a grande maioria deles utilizou plantas de regiões temperadas. Nesse contexto, estudos que envolvam as respostas das plantas tropicais às mudanças climáticas são fundamentais para aumentar o conhecimento sobre diversos aspectos como a fisiologia, a bioquímica, a anatomia, dentre outros e possibilitar a tomada de medidas voltadas à mitigação dos riscos decorrentes do aumento do CO2 atmosférico. Este projeto visa o estudo dos efeitos de altas concentrações desse gás, associadas aos aumentos na temperatura, em três espécies nativas da Mata Atlântica, de três estágios sucessionais diferentes: uma pioneira, Sesbania virgata (Cav.) Pers., uma secundária inicial, Schizolobium parahyba (Vell.), e uma secundária tardia, Hymenaea courbari L., a fim de entender melhor as respostas dessas espécies e dos diferentes estágios sucessionais a essa condição ambiental, tendo como foco a área foliar, a espessura das epidermes e dos parênquimas foliares e o índice estomático. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.