Busca avançada
Ano de início
Entree

Preparação de membranas cerâmicas à base de SnO2

Processo: 96/07695-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 1997
Vigência (Término): 12 de novembro de 1997
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Materiais Não-metálicos
Pesquisador responsável:Douglas Gouvêa
Beneficiário:Douglas Gouvêa
Instituição-sede: Escola Politécnica (EP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Óxido de estanho   Materiais cerâmicos   Eletroforese

Resumo

O plano de pesquisa proposto a seguir tem como objetivo a preparação de membranas cerâmicas à base de SnO2 com microestrutura estável às condições de operação (temperatura, atmosfera, corrosão). Estudos referentes à estabilidade de interfaces em materiais cerâmicos tem grande interesse não só no domínio de materiais porosos, como por exemplo em membranas e catálise, mas também de materiais densos, como nanomateriais, onde o crescimento de grãos durante a sinterização têm influência determinante nas propriedades finais do produto. A avaliação da estabilidade das diferentes interfaces (sólido-gás e sólido-sólido) com relação às condições de tratamento e aos diferentes aditivos é de importância capital para a compreensão e controle destas. Este trabalho faz parte de um projeto mais global onde se pretende realizar estudos de diferentes materiais cerâmicos, dando assim, origem a um grupo de pesquisa nesta área no Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da Universidade de São Paulo. A conformação destes materiais por dois métodos diferentes é proposta. O primeiro é a preparação de capilares cerâmicos por meio de eletrodeposição em eletrodos de grafite. Este método permite a preparação de fibras ocas com uma relação comprimento/diâmetro importante e onde outros métodos de conformação são pouco adaptados. O estudo da estabilidade de dispersões de SnO2 em diversos meios líquidos bem como o controle da carga superficial nas partículas de SnO2 segundo o pH e a presença de dispersantes se faz necessário. O segundo consiste em depositar filmes finos de SnO2 por meio de síntese química derivada do método Pechini em substratos porosos preparados por eletrodeposição ou por prensagem. Esta etapa consistirá na avaliação da estabilidade de tamanho de poros e partículas com relação às condições de preparação e a concentração de diferentes íons aditivos. A caracterização destes materiais será realizada na USP, no I.P.E.N., na Universidade Federal de São Carlos e no Instituto de Química de Araraquara - UNESP. O projeto tem uma duração prevista de 2 anos com possibilidade da extensão por mais 1 ano visando à caracterização da performance dos materiais desenvolvidos segundo as condições e meios de filtragem. (AU)