Busca avançada
Ano de início
Entree

Laboratório de sequenciamento

Processo: 98/04798-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 1998
Vigência (Término): 30 de abril de 2001
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica
Pesquisador responsável:Marilia Caixeta Franco
Beneficiário:Marilia Caixeta Franco
Instituição-sede: Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Citrus   Genomas   Xylella fastidiosa   Sequenciamento

Resumo

Mais de 70% da produção de citros no Brasil é utilizada pela indústria de sucos concentrados. O mercado interno consome cerca de 28% da produção. Apesar de ser o maior produtor mundial, o Brasil tem uma participação muito fraca no mercado de exportação de frutas frescas devido às doenças infecciosas que ocorrem em suas plantações, não atendendo às exigências de controle de qualidade. Dentre estas destacam-se a tristeza dos citros, o declínio, a leprose e a gomose. Nos últimos dez anos, a Clorose Variegada dos Citros (CVC) tomou-se o principal problema da citricultura paulista. Esta doença é causada por uma bactéria pertencente a um grupo de fitopatógenos procariontes denominado XLB ("Xylem-Limited Bacteria"). A CVC, a praga do amarelinho, foi primeiro observada no ano de 1987 nos Estados de São Paulo e Minas Gerais (Lee et al., 1993). Posteriormente, Rossetti et al. (1990) relataram sua ocorrência novamente nestes dois Estados. A associação da bactéria X. fastidiosa com a CVC foi confirmada por Leite Jr. & Leite (1991) e por Beretta et al. (1991). A partir da região onde a CVC foi encontrada, houve disseminação do patógeno para outras regiões produtoras de citros. No Brasil, essa disseminação foi rápida e atualmente o agente da CVC já foi encontrado em pomares dos Estados do Paraná, Goiás e Sergipe, além dos Estados de São Paulo e Minas Gerais (Osvaldo et al, 1997). A Argentina, até o momento, é o único país, além do Brasil, onde a CVC foi diagnosticada. Este plano de pesquisa propõe a participação ativa de uma bolsista (a nível de pós-doutorado) no seqüenciamento genético de pelo menos 50 Kb do genoma do microrganismo Xylella fastidiosa, bactéria patogênica, causadora da Clorose Variegada dos Citrus, no Laboratório de Biologia Celular e Molecular do CENA (Processo FAPESP No. No. 97/13478-1 ). O desenvolvimento e adaptação de protocolos para o seqüenciamento de parte do genoma da bactéria propiciarão conhecimento necessário para a elucidação de alguns pontos que atualmente não estão esclarecidos, e que o projeto ONSA objetiva alcançar, tais como os mecanismos do processo infeccioso, as variabilidades genéticas determinantes de graus de virulência, e que possivelmente poderão levar ao desenvolvimento de drogas para o tratamento eficaz e bloqueio da proliferação, dentro de um prazo mais curto. Pelas atividades propostas neste plano, espera-se que a sua contribuição à equipe do CENA-USP seja significativa, tanto no sentido de aumento da capacitação técnica e analítica, como no caráter interativo que o projeto ONSA espera obter de todos os participantes. (AU)