Busca avançada
Ano de início
Entree

Reações de tipos de células específicas no gânglio entérico à isquemia intestinal

Processo: 08/05718-9
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2009
Vigência (Término): 31 de março de 2009
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Patricia Castelucci
Beneficiário:Patricia Castelucci
Anfitrião: John B. Furness
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Melbourne, Austrália  
Assunto(s):Isquemia mesentérica   Sistema nervoso entérico

Resumo

O trabalho que fizemos sobre os efeitos da inflamação intestinal induzida por TNBS em neurônios entéricos ao longo dos últimos anos, utilizando métodos eletrofisiológicos segundo mensageiro e medidas de ativação, tem demonstrado mudanças nas classes específicas de neurônios (Nurgali et al. 2007; Poole et al . 2007). O fato de classes específicas de neurônios serem afetadas provavelmente influencia as funções como motilidade, secreção, controlada pelos neurônios entéricos. A lesão pela isquemia / reperfusão também causa danos aos neurônios entéricos (Piao et al. 1999; e Lindeström Ekblad 2004; Silva et al. 2007; Ventura-Martinez et al. 2007), e há trabalho demonstrando de que alguns neurônios poderiam ser afetados seletivamente (Calcina et al. 2005), como o número de neurônios imunorreativos ao óxido nítrico sintase (NOS) e peptídeos vasoativos intestinais (VIP) estavam aumentados, e as fibras taquicininas-IR fibras diminuíram 24 Horas após uma 1 hora oclusão vascular no rato (Calcina et al. 2005). O trabalho de Calcina et al. investigaram apenas uma pequena amostra dos tipos de neurônios (neurônios com motor inibitório NOS-IR e VIP-IR, embora este fato possa ter também incluídos alguns interneurônios), e as terminações dos neurônios excitatórios motor, com taquicininas (Substância P) imunorreatividade. O rato não é o melhor animal para iniciar, pois o código químico de todas as formas neurônio não é conhecido. No entanto, na cobaia há um maior conhecimento de todos os tipos de neurônios e seus códigos químicos (Furness 2006). Os estudos publicados concentrarem-se no plexo mioentérico, ao mesmo tempo em que seria de esperar que neurônios submucosos também fossem afetados. O processo de danos nos tecidos por períodos de restrição de fluxo sanguíneo seguida por reperfusão é complexa. Além disso, é possível prever que os neurônios Dogiel Tipo II (intrínsecos aferentes primários) seriam afetados. Esses neurônios têm cerca de 4x a densidade mitocondrial de outros neurônios entéricos (Pompolo e Furness 1988), o que sugere que sejam exigentes de energia. Esses neurônios expressam inequivocamente um volume de intermediário de condutância canal cálcio-dependentes de potássio (IKCa) (Furness et al. 2003; Nguyen et al. 2007). Os neurônios Tipo II também expressam canais KATP que estão abertos quando as células são metabolicamente comprometidas. Os efeitos da abertura KATP podem acentuar os efeitos da abertura do canal IKCa do volume celular. A proposta é considerar o projeto em duas partes, (1) uma análise das mudanças em tipos de células específicas no intestino delgado de cobaia sujeita a isquemia local e (2) uma investigação dos efeitos dos agentes neuroprotetores nas mudanças neuronais. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
PONTELL, LOUISE; CASTELUCCI, PATRICIA; BAGYANSZKI, MARIA; JOVIC, TANJA; THACKER, MICHELLE; NURGALI, KULMIRA; BRON, ROMKE; FURNESS, JOHN B. Structural changes in the epithelium of the small intestine and immune cell infiltration of enteric ganglia following acute mucosal damage and local inflammation. Virchows Archiv, v. 455, n. 1, p. 55-65, JUL 2009. Citações Web of Science: 29.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.