Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização da petrotrama de diques basálticos através do padrão de difração de elétrons retroespalhados e comparação com a anisotropia de susceptibilidade magnética

Processo: 98/14977-4
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 18 de setembro de 1999
Vigência (Término): 16 de outubro de 1999
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Carlos José Archanjo
Beneficiário:Carlos José Archanjo
Anfitrião: David Mainprice
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IGC). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Université Montpellier 2, França  
Assunto(s):Cristalografia   Basalto

Resumo

A orientação do elipsóide de anisotropia de susceptibilidade magnética (ASM) de rochas basálticas tem sido freqüentemente relacionado aos estágios finais do fluxo magmático. A susceptibilidade máxima (k1; onde k1 > k2 > k3) representaria a direção do fluxo enquanto a susceptibilidade mínima (k3) seria perpendicular ao plano de fluxo. Embora os estudos comparativos em sistemas naturais venham confirmando tal interpretação, a relação petroestrutural entre a (re)cristalizacão de titanomagnetita na trama de silicatos é ainda mal conhecida. Neste projeto pretendemos examinar estas feições através do sistema microscópio eletrônico de varredura (MEV) e padrão de difração de elétrons retro-espalhados (EBSD). Este sistema permite determinar a orientação preferencial cristalográfica de tecto e inosilicatos separadamente. Estas informações, comparadas com a orientação do elipsóide de ASM, permite-nos caracterizar completamente a petrotrama de diques basálticos mesozóicos do Nordeste do Brasil, objeto deste estudo. Como não existe equipe no Brasil trabalhando neste tipo de problema, estamos solicitando a Fapesp um estágio de 30 dias no Laboratório de Tectonofísica de Montpellier (França) dirigida pelo Prof. Dr. A. Nicolas, cuja equipe possui longa tradição no estudo petroestrutural de rochas máficas e ultramáficas. (AU)