Busca avançada
Ano de início
Entree

Hibridização in situ em leucemias agudas

Processo: 95/07637-4
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de abril de 1996
Vigência (Término): 30 de setembro de 1997
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Carmen Silvia Passos Lima
Beneficiário:Carmen Silvia Passos Lima
Anfitrião: Daniel Catovski
Instituição-sede: Centro de Hematologia e Hemoterapia (HEMOCENTRO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Local de pesquisa : Royal Marsden NHS Trust, Inglaterra  
Assunto(s):Hibridização in situ   Citogenética   Leucemia

Resumo

A leucemia aguda é uma doença que acomete um contingente significativo da população brasileira, com prolongada expectativa de vida ou em fase produtiva. O estudo citogenético é de importância fundamental para o manejo do paciente com leucemia aguda, por poder auxiliar a estabelecer o diagnóstico diferencial entre os dois tipos principais da doença: a leucemia linfóide aguda (LLA) e a leucemia mielóide aguda (LMA), por facilitar a caracterização de subtipos de cada uma delas, que podem necessitar medidas terapêuticas adicionais às tradicionalmente preconizadas e ainda, por poder identificar a doença residual após a terapêutica quimioterápica ou recidivas da doença. O padrão do cariótipo é também considerado um fator prognóstico independente relacionado à obtenção de remissão completa, à sobrevida livre da doença e à sobrevida global em pacientes com leucemia aguda e que, portanto, deve ser considerado no momento da escolha da terapêutica a ser instituída a cada paciente. Um método de estudo dos cromossomos, "Fluorescence in situ Hybridization", conhecido como método FISH, aparece descrito como um método prático, rápido e sensível para a identificação de anormalidades cromossômicas em pacientes com leucemia aguda. Embora largamente difundido nos Estados Unidos e Europa, o método FISH ainda não é realizado no Brasil. (AU)