Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudos de substâncias húmicas em interações com herbicidas usando técnicas espectroscópicas

Processo: 92/04422-9
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 24 de janeiro de 1993
Vigência (Término): 23 de janeiro de 1994
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Pesquisador responsável:Ladislau Martin Neto
Beneficiário:Ladislau Martin Neto
Anfitrião: Garrison Sposito
Instituição-sede: Embrapa Instrumentação Agropecuária. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Brasil). São Carlos , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of California, Berkeley (UC Berkeley), Estados Unidos  
Assunto(s):Espectroscopia   Herbicidas   Substâncias húmicas

Resumo

Uma quantidade crescente de dados indicam que substâncias húmicas são os principais adsorventes de herbicidas no solo e que elas podem catalisar reações de transformação dos herbicidas devido a sua abundante quantidade de elétrons que podem promover reações de transferência de cargas ou envolvendo radicais livres (Frimmmel & Christman, 1988; Hayese & Mingelgrin, 1991). O que está faltando no momento são estudos detalhados dessas reações baseados em métodos espectroscópicos (Senesi, 1990). Técnicas espectroscópicas, como Infravermelho, Ressonância Paramagnética Eletrônica (RPE), Ressonância Magnética Nuclear (RMN), fluorescência, UV-visível e outras, têm sido utilizadas para caracterizar substâncias húmicas. Em resultados anteriores, mostrou-se características distintas das substâncias húmicas, extraídas de solos brasileiros, quando comparados aos solos da Europa e Estados Unidos (Martin Neto et al., 1991), como: composição elementar diferente, menor grau de humificação de nossas substâncias caracterizados pela razão E4/E6 e nível de radicais livres semiquinona, distribuição de compostos húmicos (AH e AF), diferentes, e outras. Além das propriedades inerentes à matéria orgânica, a influência de fatores climáticos como temperatura, precipitação pluviométrica, radiação solar e outros, os tipos de cultivo e manejo do solo, c ainda, a atividade microbiana "nas regiões tropicais inviabilizam a extrapolação de muitos resultados obtidos no exterior para nossas regiões. Assim, nesse projeto, pretende-se utilizar solos tropicais (do Brasil) para estudos dos componentes húmicos da matéria orgânica em interação com os herbicidas atrazina e 2,4-D, usando técnicas espectroscópicas, como RPE, RMN, infravermelho, fluorescência e outras. Os dados obtidos nesse trabalho serão utilizados para subsidiar o entendimento dos processos de retenção, degradação e translocação de herbicidas nos experimentos de "campo" em um podsólico vermelho amarelo da Estação Experimental do IAC, em Pindorama/SP, o qual é representativo de 60% do solo do Estado de São Paulo, conforme descrito no projeto temático de equipes: 'Transporte, previsão do destino e balanço de pesticidas no solo" - Processo FAPESP 90/3773-7. (AU)