Busca avançada
Ano de início
Entree

Igitur, de Mallarmé, e o infinito en-fim fixado: os manuscritos originais

Processo: 08/05820-8
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 20 de outubro de 2008
Vigência (Término): 31 de março de 2009
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras - Literaturas Estrangeiras Modernas
Pesquisador responsável:Rosie Mehoudar
Beneficiário:Rosie Mehoudar
Anfitrião: Irene Fenoglio
Instituição-sede: Pró-Reitoria Acadêmica. Centro Universitário FIEO (UNIFIEO). Fundação Instituto de Ensino para Osasco (FIEO). Osasco , SP, Brasil
Local de pesquisa : École Normale Supérieure, Paris (ENS), França  
Assunto(s):Esboços   Dialogismo   Crítica genética

Resumo

O estágio no exterior insere-se no plano da pesquisa de pós-doutorado, conforme consta no projeto aprovado pela FAPESP e em andamento. O resumo então definia a pesquisa sobre o conto Igitur, de Mallarmé, como "a análise textual e genética da versão final e dos esboços anteriores, apreciando a lógica intrínseca a cada um, bem como algumas leis que parecem ter regido a sua transformação até a versão final. O método favorece, ademais, uma interpretação deste conto inacabado e considerado até agora quase indecifrável pela crítica." O estudo dos manuscritos de Igitur na França é, portanto, uma atividade essencial do projeto inicial. Por mais que as Obras Completas de Mallarmé de 1998 nos ofereçam a transcrição dos manuscritos, esta não substitui a pesquisa dos originais, por motivos já elencados no projeto do pós-doutorado e que procurarei repetir e ampliar no curso do presente projeto. A investigação genética dos manuscritos originais de Igitur será o foco principal, mas duas outras atividades serão também importantes. Uma é a pesquisa da biblioteca do autor, no Museu departamental Mallarmé, em Vulaines-sur-Seine, perto de Paris, em que interessará não só saber o que ele lia, mas consultar algumas de suas anotações em livros. A outra é a leitura de textos, acessíveis em sua época e atualmente em bibliotecas parisienses, pertencentes ao universo hermético e literário com o qual Igitur dialoga, conforme já foi possível detectar. Isso nos ajudará na investigação da intertextualidade constitutiva do conto, já que a teoria mallarmaica da linguagem engendra-se no diálogo com algumas epistemologias e a da tradição hermética insinua-se de modo acentuado. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.