Busca avançada
Ano de início
Entree

As vítimas não fatais da violência no estado de São Paulo

Processo: 06/02039-8
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de março de 2007
Vigência (Término): 31 de julho de 2007
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Pesquisador responsável:Vilma Pinheiro Gawryszewski
Beneficiário:Vilma Pinheiro Gawryszewski
Anfitrião: Carmen Clavel Arcas
Instituição-sede: Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Centers for Disease Control and Prevention (CDC), Estados Unidos  
Assunto(s):Acidentes de trânsito   Causas externas   Emergências   Violência

Resumo

Os acidentes e violências representam um ônus para as populações em vários países. Determinam mortes, hospitalizações, incapacidades e grande sofrimento para os diretamente atingidos, suas famílias e toda a sociedade. Embora seja um problema decorrente de múltiplos fatores, o seu impacto sobre os indicadores de saúde pode ser reduzido, do mesmo modo que foi possível alcançar a redução das doenças infecciosas e da mortalidade infantil. As consequências dos acidentes e violências para o sistema de saúde e para a sociedade apontam para a necessidade de aperfeiçoamento do sistema de informações de mortalidade e morbidade por causas externas que forneçam bases científicas e orientar o desenvolvimento e implantação de políticas públicas voltadas para a prevenção e controle desses agravos, além do estabelecimento de serviços adequados para o cuidado e apoio a essas vítimas. Na maioria dos países do mundo, o conhecimento do impacto do problema das causas externas se dá por meio da análise dos dados de mortalidade, sendo pouco os países que conhecem a morbidade hospitalar por estas causas. Os dados dos atendimentos realizados nas emergências hospitalares são ainda pouco estudados. No Brasil o Sistema de Informações de Mortalidade é considerado de boa qualidade, permitindo ter um quadro fidedigno dos principais tipos de acidentes e violências que determinam mortes. Também é possível a análise dos dados de internações hospitalares por estas causas realizadas no Sistema Único de Saúde. Porém, dados acerca do perfil desses atendimentos em serviços de emergências hospitalares são considerados uma lacuna do conhecimento científico do problema. O presente estudo tem como propósito elaborar uma proposta para um sistema de vigilância de acidentes e violências em emergências para o estado de São Paulo, com vistas ao conhecimento da magnitude do problema e o perfil das vítimas, das circunstâncias desses eventos e da natureza das lesões. Para isso, vão ser analisados os dados acerca dos atendimentos decorrentes de acidentes e violências coletados em serviços de emergência hospitalar selecionados no estado de São Paulo. Este sistema deve permitir agregar as informações de mortalidade e internações decorrentes dessas causas. Um outro aspecto importante é que este sistema deve possibilitar o desenvolvimento de outros estudos e pesquisas que possam avançar na identificação de fatores de risco e fatores protetores para estas ocorrências. O material do estudo é o universo dos atendimentos decorrentes de acidentes e violências coletadas em seis emergências hospitalares no estado de São Paulo, no período de novembro de 2004 a outubro de 2005. O banco de dados tem quase 50 mil registros. As variáveis estudadas foram referentes à identificação da vítima (idade; sexo; raça/cor; estado civil; profissão; escolaridade e local de residência); sobre o acidente ou violência (local de ocorrência, tipo de causa externa, relação agressor/ vítima); natureza da lesão e parte do corpo atingida. Em razão da reconhecida experiência na condução de sistemas de vigilância epidemiológica para os acidentes e violências do National Center for Injury Control and Prevention, Centers for Diseases Control and Prevention (NCIPC/CDC), a análise desse banco de dados será feita em conjunto com esse órgão, bem como a comparação dos resultados com os provenientes de outros serviços de emergência em países da América Latina e também os dados dos Estados Unidos da América. Também a análise desse banco de dados deve possibilitar a proposição de novos estudos, com desenho analítico. O NCIPC/ CDC tem grande experiência acumulada na condução de inquéritos voltados para a identificação da associação de fatores de risco e fatores protetores com diferentes tipos de causas externas Pretende-se, a partir desse estágio, iniciar uma cooperação científica no nível internacional que pode trazer grande benefício às pesquisas realizadas nessa área. (AU)