Busca avançada
Ano de início
Entree

Populações caboclas em ecossistemas de águas pretas na Amazônia central

Processo: 98/06027-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 1998
Vigência (Término): 31 de agosto de 2002
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Alpina Begossi
Beneficiário:Andréa Leme da Silva
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil

Resumo

Devido às peculiaridades ecológicas que caracterizam os ecossistemas de águas pretas, como oligotrofia, endemismo e alta fragilidade ambiental, estudos sobre as estratégias de uso de recursos naturais por populações humanas são importantes para o direcionamento de práticas de manejo conservacionistas. Assim, o presente estudo tem por objetivo compreender os padrões de uso de recursos em duas populações caboclas ribeirinhas da Amazônia Central localizadas no médio Rio Negro, a primeira com acesso exclusivamente a regiões de águas pretas, e a segunda assentada numa região de águas pretas, porém próxima de outros rios mais produtivos (águas brancas). Os objetivos específicos são: 1) comparar a diversidade de uso de plantas em termos de sazonalidade, distribuição nos subsistemas igapó, caatinga ou terra-firme, e categorias (idade, sexo, etc.) dentro e entre as comunidades, 2) comparar a proporção e diversidade de uso de caça e pescado em termos ecológicos (distribuição e variação sazonal) e institucionais (sistemas de apropriação e regras de uso), e 3) comparar o consumo de itens de origem animal, tabus preferências e alimentares. A metodologia incluirá entrevistas baseadas em questionários semi-estruturados e observações sistemáticas sobre o conhecimento local de plantas e animais (etnobotânica e etnozoologia), atividades de caça e pesca, preferências e tabus alimentares. A análise dos resultados quanto ao uso de plantas, peixes e caça será baseada em índices de diversidade; as preferências alimentares serão analisadas sob a ótica dos modelos de forrageamento ótimo e os tabus alimentares serão comparados com a literatura. (AU)