Busca avançada
Ano de início
Entree

Telejornal e telenovela: práticas significantes de um mesmo discurso

Processo: 96/05157-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 1996
Vigência (Término): 31 de agosto de 1997
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Comunicação - Teoria da Comunicação
Pesquisador responsável:Jeanne Marie Machado de Freitas
Beneficiário:Carla Carneiro Do Nascimento
Instituição-sede: Escola de Comunicações e Artes (ECA). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Discurso   Telejornalismo   Telenovela   Psicanálise

Resumo

Desnecessário dissertar sobre a importância da televisão e a influência de seus produtos em nosso cotidiano. Apesar disso, a televisão não tem sido ainda alvo de um estudo sistematizado próprio que dê conta de suas produções. Posto isso, ajustemos nossas lentes para dois desses produtos televisivos: telejornal e telenovela. Se a influência que a televisão exerce em nosso cotidiano é notória, também é inegável que a telenovela e o telejornal dividiram nosso mundo em ficção e realidade. Não que tal divisão só tenha se instaurado com a televisão, mas esses produtos nos têm imposto, ostensivamente, uma divisão estanque entre o que se tem definido por realidade ou por ficção. Nosso questionamento principal gira em tomo dessa divisão que, acreditamos, reproduz os próprios modelos de comunicação que têm concebido o processo comunicativo em emissor - meio-mensagem - receptor. Por percebermos o processo comunicativo com não compartimentado e estruturado por algo além do que é dito ou manifestado, pensamos que uma ciência que desse conta da linguagem, em si, poderia nos ajudar a compreender esse processo e a dinâmica entre ficção e realidade na televisão. Movemo-nos, assim, para o campo das Ciências da Linguagem e, especificamente, da psicanálise, tal como se constitui depois da contribuição de J. Lacan. Consideramos que esses dois produtos atendem a uma mesma demanda do público (desde a de informação até a do vislumbramento de um final feliz e pleno), assim a partir de uma teoria que dê conta do processo comunicativo a partir do que lhe é fundante (a mediação), pretendemos tomar evidente a unicidade ou a não dissociação entre o que nos acostumamos a definir como realidade e ficção nos meios de comunicação e, especificamente, na televisão. (AU)