Busca avançada
Ano de início
Entree

Hume e a Epistemologia moral

Processo: 00/10332-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2000
Vigência (Término): 30 de setembro de 2004
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Filosofia - História da Filosofia
Pesquisador responsável:Joao Paulo Gomes Monteiro
Beneficiário:Jaimir Conte
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil

Resumo

O projeto de pesquisa propõe um estudo da filosofia moral de David Hume como apresentada especialmente no Tratado da Natureza Humana' e na 'Investigação sobre os Princípios da Moral'. Trata-se de analisar a filosofia de Hume e ver se ela consiste numa teoria moral "subjetivista", ou se é uma teoria da "objetividade" sobre a moral. Em outros termos, o objetivo é ver se Hume desenvolve uma teoria não-cognitivista que sustenta que não pode haver conhecimento moral, ou se ele propõe, contra o ceticismo, uma teoria cognitivista que defende a possibilidade do conhecimento moral. Uma vez que Hume parece apoiar ambas as posições, procuraremos ver qual delas melhor representa a posição filosófica de Hume. Outras questões relacionadas são as seguintes: Se Hume defende uma forma de cognitivismo, a sua teoria é bem sucedida em mostrar que os juízos morais têm valores verdadeiros e podem expressar conhecimento moral? E ainda, podemos dizer que existe conhecimento moral, e que, se existe, ele é similar a outras formas de conhecimento, tais como o conhecimento das propriedades dos objetos físicos ordinários? A filosofia moral de Hume explica satisfatoriamente como as pessoas podem ter motivos para agir moralmente? Devemos dizer que a moralidade é em última instância uma questão de sentimento antes que da razão? Enfim, qual é a base das distinções, morais que fazemos? (AU)